Opinião: “Super Bowl” seria a solução ideal para o Brasileirão

Palmeiras
Crédito da foto: Divulgação/ Rafael Ribeiro/ CBF

O campeonato Argentino tem uma fórmula diferente do Campeonato Brasileiro. Para 2016, por exemplo, serão 30 clubes divididos em duas zonas de 15 clubes cada (turno único) com os campeões fazendo a final em campo neutro.

Sempre na reta final do Campeonato Brasileiro ou mesmo depois de um jogo eliminatório emocionante, a polêmica sobre a fórmula de pontos corridos ainda gera muita discordância nos clubes, entre os torcedores, na imprensa e principalmente a TV que paga pelos direitos de transmissão, que não perde a oportunidade de pedir a volta do mata-mata no Campeonato Nacional. Sou contra a volta do mata-mata no Campeonato Brasileiro. Mas admito que achei interessante essa fórmula argentina. Apesar da fórmula de pontos corridos não ser a causa do declínio do futebol brasileiro, muito pelo contrário, e ela já está consolidada, entendo que podemos se inspirar nos argentinos.

Sem rodeios, a minha ideia é simples: Aumentar o número de participantes na Séria A brasileira de 20 para 32 clubes – muitos clubes tradicionais que nem Série B disputam atualmente teriam mais chances de voltar a jogar uma primeira divisão – e dividir esses clubes por zonas (duas). Pode ser zonas regionais como na NBA, a liga de basquete americano. Diferente do Campeonato Argentino, no Campeonato Brasileiro seria turno e returno dentro das zonas. Os campeões dessas zonas fariam a final em jogo único em local predeterminado.

Para respeitar o calendário, a substituição seria gradual. No primeiro ano cairiam 2 (duas) equipes da Série A para Série B e subiriam 6 (seis) até fechar nas 32 equipes. A partir de 2019, cairia as 2 (duas) últimas colocadas de cada zona (4) e subiram 4 (quatro) equipes da Série B. Séries B e C seguiriam o mesmo caminho da Série A.

É viável. Além das 31 datas – sete a menos – e manteria todos os clubes em atividade, esse modelo de disputa aliviaria o sufocante calendário nacional. Já pensou o Brasil ter o seu Super Bowl? Com um Maracanã lotado, um show no intervalo com a celebridade do momento e comerciais valendo uma caminhão de dinheiro. Não custa nada sonhar.

Foto: Divulgação/Rafael Ribeiro/CBF



Viciado em futebol nacional e internacional; gosta de Fórmula 1. Apaixonado por Copa do Mundo como quem gosta de futebol, não como torcedor, e interesso-me por outros esportes somente na Olimpíada. Textos opinativos e curiosidades do futebol. Tenho um blog sobre política (@brasildecide).