Retrospectiva 2015: o ano da Ferrari

Getty Images

2015 foi o melhor entre os piores anos da Ferrari em quase uma década. Com a chegada de Sebastian Vettel e mudanças no comando da escuderia, os ferraristas enxergam finalmente uma luz no fim do túnel.

LEIA MAIS:
Retrospectiva F1: O ano em que a Globo largou ainda mais a categoria

A última conquista da Ferrari na F1 foi em 2007, com o finlandês Michael Schumacher. De lá para cá, apesar de investidas em grandes pilotos, como o espanhol Fernando Alonso, tido por muito tempo como o melhor do grid, a Ferrari amargou o papel de figurante na categoria mais famosa do automobilismo.

Mas 2015 foi um ano de mudanças, e, ao que tudo indica, para melhor. A chegada de Sebastian Vettel trouxe novo fôlego à equipe italiana, que conquistou três vitórias na temporada. Com a força quase inabalável da Mercedes, a Ferrari estabeleceu-se como a melhor de todo o resto na competição. Mas, mais importante que isso, a escuderia mostra-se preparada e com chances de disputar o título em 2016.

Os ferraristas tem no alemão Sebastian Vettel um novo herói, que remete imediatamente aos anos de glória vividos com o heptacampeão Michael Schumacher. As semelhanças entre um e outro vão além da nacionalidade. Vettel lembra em muito a vontade de vencer e o entusiasmo em vencer pela Ferrari de Schumacher, além de trabalhar de perto junto à equipe para a melhoria do carro.

A primeira vitória da Ferrari na temporada 2015 veio na Malásia. Além de marcar a primeira vitória de Sebastian Vettel com a equipe de Maranello, essa foi também a primeira vitória da Ferrari após um jejum que durava desde maio de 2013.

Vettel foi impecável ao conduzir seu carro vermelho para a vitória. Com uma estratégia de duas paradas, deixou as Mercedes de Lewis Hamilton e Nico Rosberg para trás.

Mas o ano da Ferrari também teve Kimi Raikkonen com alguns lampejos de diamante lapidado que é. O finlandês, considerado pelos fãs da F1 o piloto mais popular da atualidade, conseguiu se garantir na equipe para 2016. Raikkonen terminou o Mundial com 150 pontos, e em quarto no campeonato, atrás de Vettel, com 278.

O novo chefe da Ferrari, Maurizio Arrivabene, também merece destaque. Suas mudanças na equipe tem surtido efeito e dado esperança aos fãs da equipe mais tradicional da F1 de que novos títulos virão.

CRÉDITO DA FOTO: Getty Images



Jornalista | Escritora Há 10 anos dedicando-se ao meio esportivo, com enfoque em mídias sociais e produções audiovisuais. Autora do site Guia dos Esportes - Conhecendo o mundo através do esporte, especialista de conteúdo da Seconds Entretenimento Esportivo, colunista dos sites Autoracing (F1), repórter e colunista do Portal Rackets (tênis).