Retrospectiva 2015: Relembre os treinadores do Palmeiras

O técnico Marcelo Oliveira comanda o Palmeiras e não liga para a pressão externa

O ano de 2015 pode ser considerado muito bom para o Palmeiras. Na temporada, após uma reformulação total no elenco, quando 25 novos jogadores foram contratados, o clube conseguiu um vice-campeonato no Paulistão e levantou o título da Copa do Brasil, o terceiro de sua história. Porém, para os treinadores que passaram pelo clube, a situação não foi tão boa, nem mesmo para o campeão Marcelo Oliveira, que esteve muito pressionado até a final contra o Santos.

LEIA MAIS:

Fim da negociação! Palmeiras DESISTE de contratar Jean, do Fluminense

Novo Gabriel Jesus? Saiba quais são as principais apostas da base do Palmeiras em 2016

Palmeiras oficializa empréstimo de volante à Ponte Preta

E coube ao técnico Oswaldo de Oliveira a missão de liderar o Verdão no início da temporada. O treinador carioca chegou ao clube ainda em dezembro de 2014 e ajudou a formar o elenco deste ano. Foram dele as indicações de Lucas, Gabriel e Rafael Marques, por exemplo, atletas que já havia trabalhado no Botafogo anos antes e que se provaram muito importantes durante a temporada.

No Campeonato Paulista, o treinador mostrou boa perspectiva. Na primeira fase, o Verdão terminou em primeira colocação de seu grupo e avançou às quartas de final, onde passou pelo Botafogo-SP, com uma vitória magra, por 1 a 0.

Classificado para as semifinais, o treinador encarou seu primeiro grande teste do ano: enfrentar o Corinthians, em jogo único, na casa do rival. E com uma grande exibição, sua equipe empatou no tempo normal, por 2 a 2, e venceu nos pênaltis, por 6 a 5, chegando à decisão do torneio com muita moral.

Na final, porém, não teve a mesma sorte nas penalidades e viu o Verdão ficar com o vice, após perder por 4 a 2, para Santos, na Vila Belmiro. No tempo normal, havia sido derrotado por 2 a 1 (no primeiro duelo, no Allianz Parque, venceu por 1 a 0).

A campanha foi considerada boa e a expectativa para o início do Brasileirão era bem alta. Entretanto, Oswaldo não conseguiu fazer o time engrenar. O treinador comandou o clube apenas por seis rodadas, sendo uma vitória (novamente sobre o Corinthians), três empates e duas derrotas, e foi demitido.

Na Copa do Brasil, Oswaldo esteve à frente do Verdão na estreia do clube, triunfo contra o Vitória da Conquista, por 4 a 1, diante do Sampaio Corrêa, na segunda fase da competição (empate fora, por 1 a 1, e vitória no Allianz, por 5 a 0), e também no primeiro jogo da terceira fase (empate em casa contra o Asa de Arapiraca, por 0 a 0).

Na época da demissão, Marcelo Oliveira, treinador bicampeão brasileiro com o Cruzeiro, estava desempregado e a diretoria palmeirense não perdeu tempo e o contratou.

Neste meio tempo, o clube foi dirigido pelo auxiliar Alberto Valentim em uma partida do Brasileirão, contra o Fluminense. Vitória em casa, por 2 a 1.

A partir daí, Marcelo Oliveira assumiu efetivamente a equipe no dia 15 de junho e, na estreia, foi derrotado pelo Grêmio, fora de casa, por 1 a 0. O resultado não desanimou o vencedor treinador, que, em seguida, conseguiu uma excelente série de resultados, que colocou o time na terceira posição do Brasileirão. Foram sete jogos, com seis vitórias e um empate (entre os resultados, uma goleada sobre o São Paulo, por 4 a 0).

Porém, neste momento, o time passou a perder alguns jogadores por lesão – principalmente o volante Gabriel, que machucou o joelho – e o rendimento caiu muito. O Palmeiras, então, teve altos e baixos na competição, brigando até o fim para ficar entre os quatro melhores, mas terminou apenas na nona colocação. Bem abaixo da expectativa do clube e dos torcedores, que reclamavam muito de Marcelo Oliveira. Para eles, o técnico não conseguia dar um padrão tático ao clube.

Mas foi na Copa do Brasil que a redenção chegou.

Com vitórias suadas, nas quartas de final, contra o Internacional, e nas semis, diante do Fluminense, o time reencontrou o Santos em uma decisão.

E com muito trabalho e competência, o time de Marcelo Oliveira conseguiu o título, com vitória nos pênaltis, por 4 a 3, contando com a ajuda do goleiro Fernando Prass, melhor jogador do torneio. No primeiro jogo, na Vila Belmiro, o time alviverde foi derrotado, por 1 a 0, e na grande decisão conseguiu uma vitória por 2 a 1.

O caneco foi a salvação de Marcelo Oliveira no clube – havia grande possibilidade de queda do cargo, caso a conquista não viesse – e o treinador segue no comando em 2016, na busca por sua segunda Libertadores da história.

Números dos treinadores do Verdão em 2015:

Oswaldo de Oliveira

31 jogos (17 vitórias, 7 empates e 7 derrotas)

Alberto Valentim

1 jogo (1 vitória)

Marcelo Oliveira

39 jogos (19 vitórias, 6 empates e 14 derrotas)

 

Crédito da foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras