Palmeiras recusa oferta de R$ 4 milhões por Mouche

Até o momento, o Palmeiras já contratou sete reforços para a temporada 2016 (podem chegar a oito, caso a chegada do volante Jean se confirme) e alguns atletas que fizeram parte do elenco neste ano já deixaram o clube. Porém, outros atletas ainda sairão nesta janela de transferência, entre eles, o atacante Pablo Mouche é um dos mais assediados.

LEIA MAIS:

Palmeiras vai jogar “pré-Libertadores” em janeiro

Mendieta confirma negociação para permanecer no Olimpia

Mercado da bola 2016: Réver, do Internacional, é oferecido ao Palmeiras

Exclusivo: Imprescindível, Allione não sai do Palmeiras em 2016

Cabem no seu time? Veja a seleção dos jogadores sem contrato após o Brasileirão 2015

De acordo com o agente do atleta no Brasil, José Luis Galante, três clubes, entre eles o San Lorenzo (ARG), já demonstraram interesse no jogador, mas o Palmeiras não aceitou as ofertas. “São duas equipes do México e uma da Argentina [San Lorenzo]. Um desses times chegou a oferecer R$ 4 milhões, mas o Palmeiras recusou“, afirmou o empresário ao Torcedores.com.

Ele ainda acredita na saída do atleta, insatisfeito com a falta de oportunidades no Verdão. “Assim que o mercado de transferências abrir, em janeiro, acredito que os clubes chegarão com mais força”, explicou Galante.

Outra possibilidade, mais aceita pela diretoria alviverde, é emprestar o jogador por uma temporada, para que ele volte mais valorizado em 2017. Desta forma, o clube poderia optar por utilizá-lo ou mesmo vendê-lo por um valor mais próximo do que foi pago pelo atleta. Mouche foi contratado em junho de 2014, do Kayserispor (TUR), por R$ 9 milhões, e tem contrato com o Verdão até junho de 2019.

O dinheiro para a compra dos direitos econômicos de Mouche foi emprestado pelo presidente Paulo Nobre, que assumiu a dívida e afirmou que, se o Palmeiras vendê-lo por mais do que pagou, o lucro ficará com o clube.

LEIA MAIS:
Mercado da bola: 13 jogadores que cairiam como uma luva no Palmeiras em 2016

Crédito da foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras