“Tinha dois amigos que faleceram”, diz meia argentino Pastore sobre atentado em Paris

Conmebol.com

Na América do Sul para representar a Argentina pelas eliminatórias sul-americanas à Copa do Mundo da Rússia-2018, o meio campista Javier Pastore disse ter sofrido na pele o efeito dos ataques terroristas da última sexta-feira, em Paris.

LEIA MAIS:
Risco de atentado terrorista suspende jogo entre Espanha e Bélgica
Rio de Janeiro terá centro de combate ao terrorismo na Olimpíada
Atentado em Paris deixa Real x Barcelona em estado de alerta
Corinthians encaminha mensagem de força à França pelo Twitter

O jogador do Paris Saint-Germain revelou ao programa televisivo Teleocho Noticias, de Córdoba, que perdeu dois amigos em um dos atentados que até aqui deixaram 129 mortos na capital francesa.

“Eu tinha dois amigos que lamentavelmente faleceram. Eles tinham ido à casa de shows ver a banda de rock”, disse Pastore sobre o pior dos atos terroristas da última sexta, cometido no Bataclan, durante apresentação do grupo Eagles of Death Metal. Somente ali, foram 89 mortos. “Tinha um restaurantes a três quadras da minha casa”, continuou o atleta sobre um dos estabelecimentos comerciais onde também houve disparos contra inocentes por parte dos terroristas.

“Tenho que voltar porque trabalho lá e tenho responsabilidades. Mas com certeza vai ser um choque retornar e viver essa situação. Estou muito triste com o que aconteceu. Espero que se possa solucionar, que essas coisas não aconteçam mais e que vivamos um pouco mais em paz.”

Pastore não pôde participar do empate por 1 a 1 com o Brasil, também na sexta passada, em Buenos Aires, e tampouco estará em campo nesta terça-feira, contra a Colômbia, novamente pelas eliminatórias. Ele acabou cortado graças a uma distensão muscular na panturrilha direita.



Jornalista formado pela Universidade Metodista em 2009, estagiário do UOL Esportes por seis meses, entre 2006 e 2007, repórter do ESPN.com.br por sete anos, até o início de 2014.