Sexta-feira 13: Veja 11 jogadores que já deram MEDO na torcida do Palmeiras

reproducao

Hoje é um daqueles dias que os supersticiosos não gostam. A sexta-feira 13 é popularmente conhecida como um dia de azar, seja pelo número ou até mesmo pelo dia da semana, segundo algumas culturas pagãs. Independentemente da origem, o fato é que a data não passa impune de brincadeiras e até mesmo de calafrios para alguns. Aproveitando a data, o Torcedores.com reuniu um time completo de jogadores que passaram pelo Palmeiras e deram MUITO medo em seus torcedores.

LEIA MAIS
Palmeiras ganha mais um desfalque para partida contra o Furacão
Apresentador da ESPN cai na risada ao vivo ao ler notícia sobre o Butão; veja

Infelizmente é muito difícil reunir apenas 11 jogadores e um técnico. Muitos atletas que, apesar de merecerem o respeito profissional, deixaram os torcedores muito irados pela (baixa) qualidade do futebol apresentado. Nos últimos anos, por exemplo, o Palmeiras teve ao menos uns 20 jogadores que deixavam a torcida de cabelos em pé.

O Torcedores.com adotou alguns critérios para escolher a “seleção do medo” que ilustra essa postagem. O primeiro deles é que todos os jogadores passaram pelo clube quando o autor do texto os viu jogar. Na década de 50, 60, 70 e até mesmo 80, vários péssimos jogadores vestiram o manto alviverde, mas como avaliar sem ter visto? Achamos mais justo assim.

O segundo critério é que ao menos 51% da torcida palmeirense também concorde com as opções. Não adianta escolher um jogador de qualidade técnica duvidosa se ao menos metade dos torcedores gosta do atleta. Um exemplo? O volante Márcio Araújo. Não é uma unanimidade que ele tenha sido um dos piores jogadores da história do Palmeiras (!!), então ele segue fora da lista.

O terceiro último critério, aquele digno de sexta-feira 13, é o medo. Mais do que indignação, o medo é aquele sentimento que o torcedor tem quando o jogador pega na bola, quando vai para o “bote” ou está prestes a finalizar para o gol. Um medo gritante do jogador errar e afundar o time. Um medo que nem o Jason em seus inúmeros filmes é capaz de causar num torcedor do Palmeiras.

Sem mais delongas, vamos aos escolhidos:

DEOLA – A briga foi boa para escolher entre Deola e Bruno, mas ao menos o Bruno ganhou o prêmio de melhor (!) goleiro da Copa do Brasil em 2012.

FABINHO CAPIXABA – Até hoje não dá pra entender como esse jogador conseguiu vestir a camisa do Palmeiras. Não sabia correr, passar, cruzar, marcar, nada. Mas era titular do Luxemburgo.

EDMÍLSON – O famoso “Canhão do Pantanal”, aquele que mirava para as arquibancadas e enfiava o bico na bola. Chegou a “jogar” ao lado de Edmundo, em 2007. Meu Deus.

GLADSTONE – Mais uma cria do Luxemburgo, tal como Fabinho Capixaba. Sempre mal colocado, quando acertava a bola, espanava. Péssimo na marcação, lento e um pouco desengonçado. Não servia para o clube.

ALCEU – Muito raçudo, o jogador ganhou notoriedade entre os torcedores após uma voadora em um jogo contra o Cerro Porteño. No mais, péssimo volante. Chegou a jogar também de zagueiro e meia. O pior de tudo bem agora: Alceu já atuou com a camisa 10 do Palmeiras. Mamãe…

JUMAR – Mais um mito que vestiu a camisa do clube. No Palmeiras, nem acertava a bola, tanto que chegou a ganhar uma música especial de um torcedor do Palmeiras (Veja abaixo). Quando saiu do clube, eliminou o Verdão jogando pelo Vasco com um balaço de fora da área. Vai entender.

ROSEMBRICK – Chegou no Palmeiras após a saída de Valdívia, em 2008, sob a alcunha de “Novo Mago”. O máximo que conseguiu chamado foi de “El Magro”, por conta de seu porte físico nada avantajado.

MARCELO COSTA – Mais um que chegou com apelido no Palmeiras. Era conhecido como “Alex do pé direito”, mas que demonstrou ter duas pernas esquerdas. Nunca jogou nada no Verdão e saiu pela porta dos fundos.

RICARDO BUENO – Sinceramente, não temos nem o que falar. Sério.

MAX – Mais um mito do ataque palmeirense, o cara que, mesmo sem jogar pelo Verdão, dizem que ajudou na construção do Allianz Parque. O pedreiro mais carisma que já entrou no Palestra Itália.

ANTONIO CARLOS ZAGO – Foi muito difícil escolher um treinador que desse medo, pois houve muitos. Paulo Bonamigo e Marcelo Vilar, por exemplo, brigaram muito para estarem aqui, mas perderam para Zago.

Foto principal: Reprodução / Internet