Segundo jornal, treinadores de Alemanha e França esconderam atentados de jogadores

Segundo o jornal New York Times, os treinadores Joachim Low, da Alemanha, e Didier Deschamps, da França, souberam dos atentados que estavam ocorrendo em Paris enquanto as duas seleções se enfrentavam, mas decidiram esconder o fato de seus jogadores durante o intervalo.

LEIA MAIS:
Foi de propósito? Vídeo mostra Diego Costa pisando em segurança durante
Repórter chora ao saber cobrirá a final do Super Bowl 50
Ex-médica gata do Chelsea se casa, mas nenhum jogador vai á cerimônia

A decisão teria sido tomada individualmente por cada um dos técnicos. Segundo a publicação, Deschamps foi quem se mostrou mais relutante em não revelar o fato. De início, o capitão da França na Copa do Mundo de 1998 desejava contar, mas foi demovido da ideia. Low, por sua vez, se manteve mais convicto na decisão de não falar com seus atletas.

Assim, o jogo transcorreu com os astros do espetáculo totalmente focados para o duelo, assim como boa parte do público, que não recebeu nenhuma informação oficial do Stade de France até o apito final do árbitro. Dessa forma, em meio ao grande número de informações desencontradas no momento dos ataques, os torcedores chegaram até mesmo a saudar barulhos de explosão ao confundi-los com fogos de artíficio