Opinião: Adiamento de jogo do Brasil foi feito para a TV

Reproducao/TV

Os temporais que caíram ao longo de toda a quinta-feira (12) em Buenos Aires terminaram por adiar o jogo entre Argentina e Brasil, pela terceira rodada das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. A decisão saiu quase uma hora antes do que seria o início da partida, uma pressa que pode ser justificada pela preocupação com as grades da TV.

LEIA MAIS
Globo tem que se virar com filme após adiamento de jogo da seleção

Se fosse cumprido o regulamento no que se refere ao árbitro poder vistoriar o campo no horário marcado para o começo da partida e ainda ter uma hora para decidir sobre o início, as emissoras que transmitem as Eliminatórias teriam atrasos e cancelamentos em programas importantes para suas grades. Com certa antecedência e com a possibilidade de jogar no mesmo horário no dia seguinte, valeu a pena para os organizadores cancelar o duelo desta quinta.

A Globo se virou muito rápido e colocou no ar o filme “Busca Implacável 2”. Nesta sexta (13), terá apenas a missão de cancelar filme e Globo Repórter, um programa jornalístico que apresenta as reportagens que na profissão chamamos de “frias”, aquelas que são atemporais e podem ser exibidas a qualquer momento sem perda do conteúdo (o contrário do noticiário “quente”, que não vale mais horas ou dias depois). Não há problemas muito graves para a emissora.

Tivesse a organização prosseguido com as esperanças de jogo, entretanto, a Globo teria que colocar uma hora de Galvão Bueno e comentaristas segurando uma transmissão ao vivo sem jogo. Além disso, poderia atrasar seu Jornal da Globo e restante da programação caso o jogo começasse às 23h. Ficou de bom tamanho mudar para o dia seguinte. Não só para ela, a Globo, como provavelmente para as demais emissoras que transmitem no mundo inteiro.

O problema é que o campo ficou melhor após o anúncio do adiamento e talvez pudesse ter havido o jogo. E Brasil e Argentina terão que repensar suas programações de treinos e trabalhos físicos. Programações que não pagam milhões às federações, como as da TV.

Foto: Reprodução



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016. Também colabora com o ONDDA, site "irmão" do Torcedores.com.