Ídolo do Palmeiras, Oberdan Cattani dá nome a viaduto em São Paulo

Ag. Palmeiras/Divulgação

Um dos maiores nomes da história do Palmeiras, Oberdan Cattani agora está eternizado também na cidade de São Paulo. O Viaduto Antártica, próximo ao Allianz Parque na Zona Oeste da capital paulista, foi rebatizado como Viaduto Antártica-Oberdan Cattani em homenagem ao lendário goleiro dos anos 40 e 50 do Palmeiras, que morreu em 2014.

LEIA TAMBÉM:
5 jogadores que negociaram com o Palmeiras no início do ano e agora fazem MUITA falta
Palmeiras: Pouco utilizados, Alecsandro e Mouche não devem permanecer em 2016
Celso Unzelte fala sobre saída da Placar e rechaça fama de “imprensa gambá”

A mudança se dá graças ao Projeto de Lei apresentado pelo vereador Nelo Rodolfo (PMDB) em março deste ano, aprovada pela Câmara Municipal em outubro e sancionada pelo prefeito Fernando Haddad (PT) na última quarta-feira.

A justificativa para a mudança do nome do trecho, que passa sobre a Avenida Matarazzo entre a Praça Tomás Morus e a Praça Luiz Carlos Mesquita, no bairro de Perdizes, é “homenagear uma grande personalidade futebolística”.

Para os torcedores do Palmeiras, é um tributo à lenda do clube que participou da Arrancada Heroica de 1942 na ocasião da mudança do nome da equipe de Palestra Itália para Palmeiras e o título paulista daquele ano. Na década de 40, o goleiro foi um dos líderes na conquista de quatro troféus do Campeonato Paulista.

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Como defensor da meta alviverde (seja Palestra Itália ou Palmeiras), Oberdan Cattani disputou 351 partidas, entre 1941 e 1954, além de servir a seleção paulista e chegar à seleção brasileira. Após sua morte, o ídolo ganhou um busto com sua imagem na sede social do clube, que foi inaugurado no dia 12 de junho do ano passado, data de seu aniversário e também do histórico título paulista de 1993.

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Foto: Ag. Palmeiras/Divulgação



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.