“Fiz tudo o que eu pude”, diz Nasr sobre resultado no GP do Brasil

Foto: Beto Issa/F1 GP Brasil

Limitado pelo carro da Sauber. Assim foi o domingo (15) de Felipe Nasr no Autódromo de Interlagos, local que recebeu o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1. O piloto comentou que, mesmo terminando a prova na 13ª colocação, fez o melhor que pode e contou com a estratégia correta para a corrida realizada em São Paulo (SP).

LEIA MAIS
Globo tem pior GP do Brasil da história e perde para a Record

“Não só hoje, mas o final de semana inteiro foi positivo, apesar de o resultado não ter sido o que eu gostaria, queria brigar por pontos. Mas, da minha parte, fiz de tudo o que eu pude para extrair o melhor do carro. Foi uma corrida sem erros e a estratégia foi a melhor que a gente poderia ter feito”, disse o piloto da Sauber.

Nasr admitiu que a diferença de ritmo de corrida de seu carro com seus rivais diretos – Lotus, Force India e Toro Rosso – o surpreendeu de forma negativa neste domingo. O brasileiro lembrou que, ao longo dos treinos livres e no qualifying, esteve em condições similares e, em alguns casos, até melhores em relação aos concorrentes.

“A gente ficou limitado pelo ritmo de nosso carro. Se você comparar, ficou bem na ordem de cada equipe com o ritmo de seu carro. Essa diferença surpreendeu a gente hoje, pois a gente vinha próximo de Lotus, Force India e Toro Rosso. E hoje eles simplesmente estavam mais rápidos e eu não tinha chance nenhuma de segurá-los”, explicou o brasileiro.

Já projetando a última corrida da temporada, o Grande Prêmio de Abu Dhabi, Nasr acredita que a melhor maneira de conseguir um resultado positivo no circuito de Yas Marina é preparar um carro com estabilidade suficiente para contornar as curvas de baixa velocidade do traçado emiratense.

“É uma pista em que eu não andei. Fiz um treino com a Williams no ano passado, mas não sei como será com o carro da Sauber. Agora, é uma pista de muito baixa velocidade, então um jeito de antecipar é preparar um carro com bastante estabilidade para as curvas de baixa que usam muita tração, alguns dos pontos que faltam em nosso carro”, completou Nasr.

Foto: Beto Issa/F1 GP Brasil



Jornalista com passagens pelas revistas Racing e House Mag.