Wesley reconhece que crise política no São Paulo pode respingar no time

Rubens Chiri/saopaulofc.net

O meia Wesley admitiu nesta sexta-feira (18), em coletiva no CT da Barra Funda, as brigas políticas internas no São Paulo podem atrapalhar o ambiente se não forem bem resolvidas. Recentemente, o presidente são-paulino Carlos Miguel Aidar, o empresário Abílio Diniz e o ex-CEO tricolor Alexandre Bourgeois (demitido por Aidar) se “alfinetaram” publicamente e esquentaram o clima nos bastidores do Morumbi.

LEIA MAIS
Saiba quem é a promessa santista que foi comparada a Raí e recebeu elogios de Ceni
Após tropeço do São Paulo, Osorio critica Luis Fabiano: “Faltou mobilidade dele”
Rodrigo Caio minimiza vaias da torcida do São Paulo após empate sem gols

“Não acompanhei o que o professor disse, mas quando está tudo certo, dentro de campo também ajuda. Nós ficamos fora disso (briga política). Trabalhamos pensando na nossa parte. O São Paulo sempre foi organizado. Se estiver bem lá (Morumbi), aqui também flui melhor. A sincronia funciona melhor. Mas todos estão tranquilos para jogar, porque isso foge do nosso controle”, disse o jogador do Tricolor.

Wesley ainda comentou sobre essa irregularidade dentro de campo, o que irrita o torcedor. “Não precisamos falar que o São Paulo é grande e sempre luta por títulos. É complicado jogar bem fora e em casa oscilar. O torcedor quer o resultado sempre. É normal vaiar quando não vem o resultado. Eles pagam ingresso e querem o time bem. Não estamos conseguindo jogar da mesma maneira dentro e fora de casa. O São Paulo é grande e precisamos o quanto antes dar uma boa cara para o time”, destacou o meio-campista.

Crédito da foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net



Jornalista desde 2012, com passagens pelos jornais ABCD Maior e Diário do Grande ABC, além do canal NET Cidade. Atualmente como repórter colaborador no site Torcedores.com.