RedBull e Volkswagen juntas na F1

Embora tenha sido o primeiro dia de atividades no circuito de Marina Bay em Cingapura chamou a atenção ver a RedBull andando bem e Kvyat fechar com o melhor tempo do dia. O russo fechou seu melhor giro com o tempo de 1min46s142 sendo apenas 0s039 mais rápido que o segundo colocado, o finlandês de contrato renovado com a Ferrari, Raikkonen.

LEIA MAIS: Confira uma análise detalhada da pista de Cingapura

Essa liderança não deve ser tão levada em consideração, pois se trata apenas de uma sexta feira de treinos livres mas reacende a questão: A RedBull provavelmente tem o melhor chassi da categoria, só que a Renault não tem mais um bom motor.

Os carros dos energéticos andaram bem em Mônaco, foram ao pódio na Hungria e provavelmente andarão bem nas iluminadas ruas de Cingapura. O que essas pistas têm em comum? Não exigem grandes velocidades de reta.

Infelizmente o casamento entre RedBull e Renault está prestes a acabar, embora tenham contrato até o final de 2016, já se aponta que a equipe e a fornecedora de motores estão ajustando apenas os detalhes para rescisão que deve ocorrer no final dessa temporada.

Caso não compre a Lotus (algo que até já deve ter acontecido, porém não foi divulgado), a montadora francesa já anunciou que deixará a principal categoria do automobilismo mundial.

Para a RedBull não restam muitas alternativas. A Mercedes já afirmou que não fornecerá motores para uma forte adversária, a Honda ainda dispõe de um equipamento pouco confiável, portanto restará aos rubrotaurinos negociar mais uma vez com a Ferrari (a ToroRosso corria com motores italianos).

Ricciardo e Kvyat disseram não gostar da ideia de correr com motores clientes, pois certamente sempre estarão desatualizados e consequentemente em desvantagem.

Mas nessa história toda cabe uma grande vírgula. Muitos acreditariam que a RedBull mal-acostumada com vitórias e títulos deixaria a categoria mais cedo ou mais tarde por ser má perdedora! Ok ninguém que está acostumado a vencer, gosta de começar a perder, mas é a vida e isso pode acontecer.

O fofoqueiro Eddie Jordan soltou hoje uma bomba para a BBC: A Volkswagen está muito próxima de comprar a RedBull e que a marca dos energéticos ficaria apenas de patrocinadora principal na história.

Segundo Jordan, o motor próprio da Volkswagen dificilmente ficaria pronto antes de 2018, dessa forma, a RedBull seguiria até lá usando as unidades fornecidas pela Ferrari. Não há qualquer tipo de informação de como a ToroRosso ficaria nessa história.

O ex-dono de equipe afirmou que a Volkswagen não definiu quais de suas marcas seria levada a F1, mas que a favorita é a Audi, lembrando que Lamborghini, Porsche, Bentley, Bugatti, Seat e Skoda pertencem ao grupo alemão. É sem dúvida alguma a melhor chance de renascimento da equipe na categoria.

Que a entrada da Volkswagen na Fórmula 1 seja algo que estimule outras montadoras a reingressar na categoria, não faz sentido algum existir apenas 4 fornecedoras de motor no que é considerada a categoria máxima do automobilismo mundial, e dessas 4 fornecedoras, duas terem equipes próprias.

Uma luz se ascende no fim do túnel da F1. Já era hora!



Serranegrense de 26 anos. Diferente da maioria dos escritores,não sou jornalista formado, e sim cientista, detalhe esse que não diminui minha paixão pela escrita automobilística. Apaixonado por esportes à motor desde criança, se há corrida passando na TV, paro pra assistir independente do que tenho pra fazer. F1, F-Indy, Motogp, Stock Car, Formula-E.