Que fase! Demitido do Flu, Enderson Moreira amarga terceira demissão em 6 meses

Crédito da foto: Divulgação/Fluminense Oficial.

A goleada sofrida pelo Fluminense por 4×1 sobre o Palmeiras, no Maracanã, nesta quarta-feira (16), custou a cabeça do técnico Enderson Moreira. Ele não resistiu ao novo insucesso e foi demitido logo após o jogo. Pesou, contra o seu trabalho, o péssimo momento no returno do Campeonato Brasileiro e o retrospecto recente de sete jogos sem vitórias, com um empate e seis derrotas. Enderson havia substituído Ricardo Drubscky na segunda rodada e chegou a colocar o tricolor no G4 no primeiro turno.

Mais esportes:

Grêmio: Veja o que fazem os jogadores do título da Copa do Brasil de 2001

Nadal deverá jogar ao lado de Verdasco a chave de duplas nas Olimpíadas de 2016

Mas o final da noite desta quarta não foi novidade para a temporada de 2015 de Enderson Moreira. Em um espaço de seis meses, o treinador chegou à terceira demissão consecutiva. No dia 5 de março, mesmo invicto pelo Santos no ano, ele foi demitido do clube paulista. A diretoria do Peixe teria ficado insatisfeita com o tratamento dado aos jogadores da base do clube. O episódio não ficou muito bem esclarecido e poucos dias depois Enderson já estava novamente empregado.

Após demitir Claudinei Oliveira, que curiosamente também já havia trabalhado no Santos, o Atlético-PR anunciou o acerto com Enderson Moreira no dia 16 de março. Só que pouco mais de um mês depois a diretoria paranaense entendeu que deveria fazer uma nova troca.

Enderson, que indicou o atacante Walter ao clube, só comandou o time em oito partidas. Acabou eliminado pelo Remo na Copa do Brasil e teve um aproveitamento de 50% no Torneio da Morte do Campeonato Paranaense, que definiria dois clubes rebaixados. Foi demitido no dia 20 de abril.

Crédito da foto: Divulgação/Fluminense Oficial.



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.