Prefeito invade vestiário e ameaça arbitragem em jogo da Segunda Divisão do Paulista

Após empate entre Grêmio Prudente e Assisense, partida que terminou em 1 a 1 pela Segunda Divisão do Campeonato Paulista, o prefeito da cidade de Presidente Prudente, Milton Carlos de Mello, invadiu o vestiário do Estádio Municipal Paulo Constantino para insultar o árbitro Rafael César Fernandes, conforme informou Espn.com. br.

Como relatado na súmula, o prefeito, acompanhado de seu filho, Murilo Mello, adentrou ao vestiário e começaram a atacar com ofensas contra a arbitragem do jogo, inclusive, citando a família de um dos assistentes, destacando o bebê recém-nascido.

E não parou aí. Com o celular em mãos, Murilo Mello, que também é vice-presidente do Grêmio Prudente, disparou ameaças ao auxiliar proferindo palavras impublicáveis pelos Torcedores.com, mas que podem ser conferidas logo abaixo.

Galino
Súmula do jogo entre Grêmio Prudente e Assisense disponibilizada pela FPF.

 

O mais curioso é que o prefeito já esteve envolvido em outra confusão, mas no ano passado, no qual o Grêmio Prudente havia perdido para o Olímpia por 3 a 2, e, pela primeira vez, Milton Carlos adentrou ao gramado para tirar satisfação com a arbitragem. Conforme publicado pela Espn, na época, a assessoria da prefeitura avisou que “o prefeito agiu como torcedor e agiria assim em qualquer partida de qualquer modalidade esportiva se percebesse atitude desonesta contra uma equipe da cidade”.

Segundo informações do portal, a Espn tentou contato com a prefeitura e com o clube do Grêmio Prudente, mas não obteve respostas.

Com o imbróglio fora de campo à parte, o clube da cidade ocupa a quarta colocação do Grupo 5 da Segunda Divisão do Campeonato Paulista, e está a cinco pontos da zona de classificação. Por outro lado, o Grêmio Prudente tem, ainda, seis rodadas para disputar antes da fase atual terminar.

 

Foto: Foto: Rodolfo Lesse / Arquivo



Ribeirão-pretano com orgulho e apaixonado por todas as modalidades esportivas. Jornalismo esportivo é uma das paixões que carrego em meu peito. Sonhar é o que mantém o Homem vivo. "O Homem não morre quando deixa de existir, e sim quando deixa de sonhar".