Opinião: Palmeiras esquece a história ao buscar goleiros no mercado

César Greco/Ag.Palmeiras

A aposentadoria de Marcos em 2012, e a venda precoce de Diego Cavalieri em 2008, deram fim a gloriosa história da escola de goleiros no Palmeiras. O Verdão parece que se esqueceu da sua tradição.

LEIA MAIS:
Após “hat trick”, Lucas Barrios comemora vitória contra o Fluminense
De camisa 8, Barrios desencanta pelo Palmeiras com “hat-trick”; veja os gols
Distração de Dunga no iPad em pênalti perdido por Fred repercute nas redes sociais

Uma categoria de base que revelou grandes goleiros como Leão, Oberdan, Velloso e Zetti, parece ter perdido a qualidade na formação dos arqueiros, já que todos revelados de 2013 em diante não brilham os olhos dos torcedores palmeirenses.

Em 2013, Bruno foi campeão da Copa do Brasil. Porém, caiu de rendimento e perdeu a titularidade para Fernando Prass, contratado junto ao Vasco.

Com a lesão de Prass, o Palmeiras voltou os olhos para a base e usou outros dois goleiros de casa no Brasileirão de 2014: Deola atuou por cinco jogos, e Fábio, que atuou por 25 partidas.

Com o time caindo pelas tabelas, o clube contratou o goleiro Jailson, do Ceará, para ser o reserva imediato de Fernando Prass, posto que ainda segue dele em 2015 revezando com Aranha, que chegou após sair do Santos por falta de pagamento de salários.

Para 2016, o clube pretende renovar com Fernando Prass e busca a contratação do goleiro do Figueirense, Alex Muralha, para ser o reserva imediato do arqueiro que iniciou esse ciclo de goleiros não formados em casa no Palmeiras.

Crédito da foto: César Greco/Ag.Palmeiras



Estudante de jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo e estagiário do Torcedores.com.