Copa Davis: Chance do Brasil aumentou para ficar na elite em 2016

Thomaz Bellucci. Se o Brasil sonha em se manter no Grupo Mundial da Copa Davis em 2016, precisará contar com os dois pontos de simples do seu número 1. Se em março, no confronto diante da Argentina, o canhoto vivia má fase, agora a história é completamente diferente para a série contra a Croácia neste final de semana em Florianópolis.

LEIA TAMBÉM:
Copa Davis: Veja a ordem dos jogos entre Brasil x Croácia
Copa Davis: Como o Brasil chega para o duelo contra a Croácia

Nos últimos seis meses, o pupilo de João Zwetsch venceu seu quarto ATP, acumulou outras boas campanhas e, de quebra, retornou ao top 30 do ranking. É a melhor fase em sua carreira profissional, já que mostra um tênis vistoso e consistente. Ao mesmo tempo, a ausência de Marin Cilic, número 9 do mundo e que sofreu lesão no tornozelo, torna o Brasil favorito para a série em Floripa.

Por que facilitou?

Vamos explicar: se Cilic jogasse, ele seria obviamente o número 1 da Croácia, e o jovem Borna Coric, de 18 anos e 33º do mundo, o segundo jogador de simples. Do lado brasileiro, Bellucci seria o número 1, e João Souza, o Feijão, o segundo simplista. No primeiro dia, Cilic enfrentaria Feijão, enquanto que Bellucci desafiaria Coric.

A pressão sobre o número 1 brasileiro seria gigantesca, pois Feijão dificilmente venceria Cilic na sexta-feira e, por isso, Bellucci precisaria de qualquer maneira bater Coric no jogo seguinte para manter o confronto igual. Mas Copa Davis é uma competição diferente de qualquer outra no circuito, por isso Bellucci poderia se sentir ainda mais pressionado numa situação de 0-1 no primeiro dia. Isso sem contar que, no caso de derrota, precisaria vencer Cilic para deixar o Brasil ainda vivo na série.

Projeção

Sem Cilic, o capitão croata Zeljko Krajan surpreendeu no sorteio dessa quinta-feira e escalou Mate Delic para jogar contra Bellucci na sexta-feira. O confronto abre a série às 10h (horário de Brasília), enquanto Feijão entra em seguida diante de Coric.

Pode-se dizer que o capitão brasileiro João Zwetsch ficou satisfeito com a programação, já que Bellucci poderá jogar mais à vontade, sem pensar no resultado direto de Feijão e também por atuar diante de um rival 469 posições abaixo no ranking.

Com grandes chances de o Brasil fazer 1 a 0, a segunda partida se torna essencial para os rumos do confronto. O mais provável é que Coric derrote Feijão, empatando o confronto. Se o brasileiro, todavia, surpreender e sair de quadra vitorioso, é quase certo que o Brasil fecharia o duelo no sábado com o jogo de duplas.

Agora, com um primeiro dia terminando em 1 a 1, Marcelo Melo e Bruno Soares são favoritos diante de Ivan Dodig e Franko Skugor, e a tendência é que o Brasil acorde no domingo precisando de um ponto para findar a disputa. Bellucci encara Coric no confronto entre os números 1 dos países, e, se for necessário, Feijão encerra a programação contra Delic – Dodig pode entrar na vaga.

Nessa perspectiva, Bellucci continua fundamental para as pretensões de vitória para o Brasil, mas será muito melhor enfrentar Delic e Coric nesse final de semana. É claro que o favoritismo de Bellucci vai ser provado na quadra do Costão do Santinho a partir desta sexta, mas não há como esconder que a probabilidade de os donos da casa sorrirem no domingo (ou até no sábado) aumentou consideravelmente.

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Foto: Getty Images



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.