Rede Paulista de Futebol de Rua é criada e propaga a transformação de vidas através do esporte

Crédito da foto: Divulgação/Mundial de Futebol de Rua.

Uma série de instituições (entre elas, o Movimento Nacional da População de Rua, o Capão Cidadão e o Projeto Meninos e Meninas de Rua SBC, entre outros), motivadas pelo título do Brasil na Copa América de Futebol de Rua, em maio desse ano, na Argentina, e pela realização do Mundial de Futebol de Rua no ano passado aqui no Brasil, criaram a Rede Paulista de Futebol de Rua. O projeto tem em vista o uso da modalidade como uma ferramente pedagógica, um modo de se lidar com jovens socialmente vulneráveis através do esporte.

O chamado fútbol callejero, que é jogado sem juiz, com equipes mistas e com regras definidas por todos, traz como maior objetivo a educação, gerar processos comunitários e a reflexão sobre assuntos socialmente importantes, principalmente ligados aos direitos humanos, como racismo, homofobia, igualdade e direito à vida.

O lançamento do programa será feito no evento Estética da Periferia, que conta com dezenas de atrações em sua quinta edição, no dia 30 de agosto, no bairro do Capão Redondo, onde o ponto de partida do projeto contará com um campeonato entre os pólos da rede.

A modalidade alternativa tem crescido no Brasil. Apesar de fora dos holofotes da grande mídia, o título da Copa América de Futebol de Rua 2014 foi de grande auxílio para a persistência da proposta, mas não somente isso. “Todo o trabalho de treinamento e preparo foram importantes para a experiência dos adolescentes e jovens no Futebol de Rua. O título fez parte de um processo que inclui a continuidade do projeto com a consolidação da Rede Paulista de Futebol de Rua”, declarou Carolina Moraes, coordenadora do projeto.

Nesse caminho, a Rede Paulista de Futebol de Rua pode ser tornar um dos expoentes em dar espaço a jovens com potencial, não só esportivo, mas também social. Um dos pilares em formar boas lideranças e ressaltar o futebol como uma das principais ferramentas para a transformação do jovem, a luta por seus direitos e por sua inclusão social.

Crédito da foto: Divulgação/Mundial de Futebol de Rua.

 



Estudante de Jornalismo na Universidade São Judas Tadeu. Amante do futebol, apaixonado por futebol americano e interessado pela antropologia esportiva.