Opinião: O ideal americano que existe em Ronda Rousey

Enfim, Dana White e os irmãos Fertitta encontraram o “garoto propaganda” ideal tão desejado pelo UFC (Ultimate Fhighting Championship). Com o objetivo de provar a supremacia americana também no MMA (artes marciais mistas – sigla em inglês), o trio seguiu ávido por algum representante que reunisse os esteriótipos norte americanos.

LEIA TAMBÉM:
Werdum defenderá cinturão dos pesados do UFC em revanche contra Velásquez
Pride teve lutas históricas no MMA mundial; relembre
Entenda como funciona a pontuação no MMA e porque gera tanta polêmica
Cyborg provoca, chama Ronda de “vadia inútil” e pede luta em dezembro

Desde a aposentadoria de Randy Couture este posto está vazio à espera de um ocupante que reúna as características idealizadas como padrão americano: patriotismo em larga escala, sucesso profissional, carisma, raça e entrega em defesa de qualquer coisa que leve o nome dos Estados Unidos.

Randy teve isso tudo! Com cinco cinturões do UFC, três como peso pesado e dois como meio pesado, “the Natural” (natural), ou “the Legend” (a lenda), ou “Capitain American” (Capitão America), Couture foi o maior nome do MMA norte-americano. Único “hall of fame” (hall da fama) a ser campeão após a entrada no grupo, a ele é atribuída a melhor luta da história do UFC: ou contra Chuck Liddell ou contra o brasileiro Rodrigo Minotauro. E ainda carrega uma medalha olímpica! Aposentou-se em definitivo com derrota para o também brasileiro Lyoto Machida.

Em busca desse nome, alguns lutadores foram trabalhados de maneira a representar o herói americano: Brian Stann, japonês de nacionalidade americana, tem status de herói de guerra, como capitão dos fuzileiros navais, mas que não decolou no UFC. Fez sua última luta em março de 2013 e despediu-se com derrota contra o brasileiro Wanderlei Silva.

Apesar das grandes vitórias que lhe credenciaram à disputa e conquista do cinturão dos médios, Chris Weidman não emplacou nesse posto. O “All American”, titulo dado ao melhor lutador de wrestler universitário, Weidman tinha a desconfiança da própria organização. Sua luta pelo cinturão foi considerada tardia em face dos grandes resultados no UFC – está invicto, considerado o segundo melhor atleta entre todas as categorias e lidera sua divisão.

Cain Velasquez também não alcançou o posto. Entre idas e vindas como campeão dos pesados, o lutador de ascendência mexicana ocupa o posto de segundo na sua divisão. Está de revanche marcada contra Fabrício Werdun, último a tirar-lheo cinturão.

E a lista segue…

Mas eis que enfim este posto está perto de um novo dono. Dona, na verdade. Ronda Rousey vem varrendo sua divisão de maneira impiedosa. Ronda, que varreu também sua categoria no Judô, tendo conquistado os maiores – pra não dizer todos – os títulos do esporte, é unica campeã do peso Galo feminino do UFC, após passar invicta também pelo WEC. Pelo Ultimate, imbatível desde a chegada na organização em 2011, em apenas uma oportunidade lutou mais que um round (3, contra sua maior rival, Miesha Tate).

Dona de uma disciplina digna de militar, Ronda não enxerga nada além de seu objetivo. Sua beleza americana não esconde a determinação em que defende seu cinturão. Demarca suas fronteiras dentro do octógono e “ai” de quem ousa ao menos ameaçá-la. Sua marca registrada é um poderoso “armlock” – chave de braço, responsável pela maioria de suas vitórias. Suas quatro últimas lutas tiveram impressionante duração de 3 minutos. Juntas!

Seu “status” de heroína ultrapassou as fronteiras estadunidenses. É referência mundial. Impávida na defesa de suas origens, seu arsenal é algo que causa medo em quem quer que a desafie. Não existe quem aposte contra esse “Exército Rousey”. Além, tem um carisma que nem de longe lembra a atleta devastadora que é. É sua identidade secreta. Atende e interage com fãs, é solícita em entrevistas e fotos, participa de eventos ainda que não ligados ao UFC e não esconde a emoção em cada defesa de cinturão.

Com ela, a marca UFC assume a conhecida e desejada soberania norte americana. Por não conhecer adversária capaz de vencê-la, talvez fique atrás de Randy numa disputa de “maior herói americano do UFC”, mas, por hora, pelos desempenho e resultado conquistados por Ronda Rousey, o posto de “heroi americano” está ocupado.

E nem o próprio Couture ousa reivindicá-lo!

Confira abaixo alguns dos melhores momentos de Ronda Rousey