Minha corrida dos sonhos

Rubens Barrichello

RubensBarrichelloBrawnGPJá que foi solicitado escolher o cenário de uma corrida ideal, com pilotos e a pista que quiséssemos, Vou permitir escolher uma pista que está em versão menor na F1, mas em seu traçado antigo, um de quase 8km, localizado na minha São Paulo.

Os meus 16 pilotos são os melhores desde que nasci, ou seja, chamarei gente dos anos 70, 80, 90, 2000 e atualidade. São eles: Emerson Fittipaldi, Niki Lauda, Gilles Villeneuve, Ronnie Peterson, Nelson Piquet, Alain Prost, Ayrton Senna, Nigel Mansell, Thierry Boutsen, Gerhard Berger, Michael Schumacher, Mika Hakkinen, Rubens Barrichello, Fernando Alonso, Lewis Hamilton e Sebastian Vettel.

Na definição do grid, com um sábado de muito sol, Senna seria o pole, com Michael Schumacher em seguida, Vettel em terceiro, Piquet em quarto. Alonso e Hamilton fechariam os seis primeiros. No entanto, a corrida no domingo teria a pista encharcada, com isso Prost que sairia em 10º, já entraria na pista com tanto medo, que rodaria na Curva do Sol e já ficaria fora da corrida.

Ao ser autorizada a largada, Senna mantinha a ponta, mas tinha um Vettel grudado na sua caixa de câmbio. Schumacher teve um toque com Gilles Villeneuve, que veio de 11º por fora e o alemão teve o pneu furado. Já o canadense voltou para a pista com o bico avariado. A terceira posição era de Alonso com Piquet e Hamilton na cola, Hakkinen vinha em sexto, mas também escorregava na reta do box e batia no muro da curva do Café.

O ritmo dos pilotos com a chuva seguia frenético, mas Senna tinha que abrandar a velocidade por conta de um toque em Peterson, que tinha rodado com seu Lotus 72 e acabou se chocando com o brasileiro no Laranjinha, a bagunça na pista era tão generalizada, que Barrichello vinha na ponta e Boutsen em segundo. Berger teve o motor quebrado e Hamilton saiu da pista na antiga curva três. Lauda já tinha abandonado também e Schumacher já vinha reagindo na pista.

A prova teria 40 voltas e Barrichello ia mantendo a liderança deste evento e a hora da bandeirada vinha chegando Schumacher estava descontando a diferença e já tinha despachado Boutsen para o terceiro lugar, Vettel aparecia em quarto e desta vez não faria sua comemoração com o dedo, mas conseguia conter Alonso atrás dele.

Schumacher chega em Barrichello a uma volta do firme passa pelo brasileiro, mas Rubens não desiste e segue na cola do brasileiro e ambos entram grudados na reta dos boxes. Barrichello tenta ultrapassar por dentro e o alemão tenta um revival de Hungaroring 2010, mas a linha de chegada aprece e o Brasileiro com seu Brawn vence por um bico de vantagem. Boutsen levou seu Williams de 1989 ao terceiro lugar e Vettel ficou em quarto. Alonso e Mansell fecharam os seis primeiros.