Magic Paula: do troféu na infância ao ouro no Mundial de 1994

Magic Paul;a (basquete). Foto: Reprodução/Facebook

Com apenas 10 anos de idade, Magic Paula ganhava seu primeiro troféu em um torneio de lances livres. Era apenas o começo para a menina que tinha se apaixonado pela bola de basquete e, no futuro, viria a se tornar uma das maiores jogadoras do esporte no Brasil.

LEIA MAIS:
Conheça Pipoka, o ala-pivô que fez história no Brasil, na NBA e Seleção Brasileira

As habilidades da atleta eram muitas, e os arremessos de bonificação, para os quais Paula já tinha mostrado talento na infância, se tornaram uma das características mais marcantes durante o período que a jogadora esteve em atividade. Além disso, as bolas da linha dos três pontos e as assistências, já que Paula atuou como armadora e também como ala, também chamavam a atenção e ajudaram a equipe brasileira a ir mais longe.

O início na seleção brasileira foi muito cedo, aos 14 anos, e Paula se tornou então a mais nova jogadora a ser convocada para defender seu país. Aos 18, ela deu um passo importante na carreira de clubes ao se transferir para Piracicaba, onde ficou por oito anos e conquistou títulos em competições como Jogos Abertos, Regionais, torneios estaduais e nacionais. Viria pela frente uma história de sucesso e muito destaque no esporte.

Em 1983, surgiu o apelido que a acompanharia por toda a carreira, Magic Paula, em alusão ao astro americano Magic Johnson, ao ser assim chamada pelo jornalista esportivo Juarez Araújo. Seis anos depois, Paula se formou em Educação Física e foi jogar na Espanha, voltando para o Brasil em 1990.

Foi na década de 90 que vieram as conquistas históricas da seleção feminina de basquete e que fazem parte do currículo honroso da jogadora. Em 1991, nos Jogos Panamericanos de Havana, o Brasil conquistou o ouro ao vencer as anfitriãs e, na final, Paula brilhou. Mais do que isso, a brasileira recebeu elogios do próprio Fidel Castro após o fim da competição. No ano seguinte, passou a jogar em Campinas, pela Ponte Preta, onde pouco tempo depois viria a fazer dupla com Hortência e conquistaria o Título Mundial de Clubes.

Em 1994, era a hora da conquista que se tornaria a mais importante da história da modalidade para as atletas brasileiras, que no ano passado comemorou 20 anos: o Mundial de Basquete da Austrália. Mais do que importante, o ouro teve um significado muito importante para Paula, que já havia disputado o torneio em outras oportunidades, sem o título. Nos Jogos Olímpicos de Atlanta, em 1996, a seleção bateu na trave e a atleta trouxe uma medalha de prata.

Hoje com 53 anos de idade, a ex-jogadora passou a fazer parte do Hall da Fama de Basquete Feminino em 2005, cinco anos após despedir-se das quadras e das cestas.

Crédito da Foto: Reprodução/Facbook/Magic Paula



Jornalista formada em 2014, torcedora e apaixonada futebol, Fórmula 1 e esportes olímpicos. Sempre de olho nas últimas do mundo do esporte e louca por NBA.