Gilmar Rinaldi exigiu e Corinthians não colocou psiquiatra para cuidar de Adriano

Foto: Reprodução/ESPN

Ex-empresário do atacante Adriano e hoje coordenador de seleções da CBF, Gilmar Rinaldi disse durante o programa “Bola da Vez”, da ESPN, na última terça-feira, que o Corinthians não aceitou a sua exigência para colocar um médico psiquiatra para cuidar do jogador.

LEIA MAIS:

Diretor da CBF revela nomes que cogitou antes de escolher Dunga para a seleção
Corinthians obtém a sua melhor marca no ranking dos sócios-torcedores
Cristóvão Borges revela que tem sido vítima de racismo no Flamengo

“Aconteceu uma história com o Corinthians. Negociei com o Andrés Sanchez a transferência de Adriano ao Corinthians com uma exigência, que eu tinha pedido para o Flamengo e a Roma: colocar um médico psiquiatra para cuidar dele. E eles (diretores do Corinthians) não cumpriram. Acharam que não era importante. Não me senti passado para trás, passaram ele (Adriano) para trás”, lamentou. Adriano, que vestiu a camisa 10, ficou entre março de 2011 a março de 2012 no Timão e não deixou nenhuma saudade. Foi dispensado após vários atos de indisciplina.

Rinaldi guarda enorme carinho com o atleta com quem trabalhou durante 10 anos.

“Eu passei muitas situações. Fiquei 10, 11 anos com o Adriano. Me dediquei ao máximo. Tenho carinho por ele como se fosse um filho. Vou ter sempre. Uma pessoa que me ajudou, me promoveu como agente, com a forma que entrei na Europa”, disse.

Durante a entrevista ao canal a cabo, o ex-goleiro também disse que o atacante entrou em decadência na carreira um ano após a morte do pai, em 2004. Almir Leite Ribeiro, até então com 45 anos, faleceu vítima de infarto.

Adriano, 33 anos, está desempregado desde abril de 2014, quando teve o contrato rescindido com o Atlético-PR.

Foto: Reprodução/ESPN



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)