Cristóvão vê evolução, mas diz ser cedo para definir Flamengo contra Palmeiras

Gilvan de Souza/Flamengo

No Flamengo, se vence, não fez mais que obrigação. Se perde, prepare-se pois o risco de demissão é iminente. Parece que é essa a realidade de qualquer treinador que passa pela Gávea. Ao longo dos últimos dias, Cristóvão Borges vinha balançando no cargo após dois jogos sem vitória no Campeonato Brasileiro. Nessa quarta-feira, todavia, a equipe reencontrou o caminho dos três pontos ao derrotar o Atlético-PR por 3 a 2 no Maracanã.

LEIA TAMBÉM:
Sheik comemora “vitória da paz” e crê que Flamengo está mais maduro no Brasileiro
Flamengo 3×2 Atlético-PR: assista aos gols da vitória rubro-negra
Mercado da bola: Flamengo veta saída de meia Almir para o Botafogo

Ainda assim, a maioria dos repórteres já queria saber como o treinador pretendia montar o time na próxima rodada, contra o Palmeiras, principalmente com o retorno de Paolo Guerrero, que cumpriu suspensão automática. Ederson, que estreou bem com a camisa 10 rubro-negra, e o peruano têm espaço no time titular até lá? Cristóvão pediu calma.

“Sinceramente estou saboreando a vitória. Ainda é cedo, nem dormi ainda”, confessou o técnico do Flamengo. “O jogo (contra o Palmeiras) é no domingo cedo (11h). Tem tempo até lá. Quando cheguei, tínhamos poucas opções e dificuldades. Mas qualificamos e aumentamos o grupo, não vamos precisar ficar reclamando. A gente escolhe as melhores opções para a equipe jogar bem, ser forte”, completou.

Apesar de levar dois gols de bola aérea, Cristóvão fez questão de exaltar os pupilos, apontando evolução dentro de campo em partidas seguidas. “A equipe está confirmando que está havendo melhora. Tem jogado bem, nem todos os resultados são satisfatórios, mas a equipe tem mantido uma qualidade de jogo muito interessante. Isso que queremos, porque a equipe tem potencial. Temos muito a crescer, mas eles estão correspondendo”.

Curtiu a matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.
Facebook: Matheus Martins Fontes.

Fotos: Gilvan de Souza/Flamengo



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.