Conheça Pipoka, o ala-pivô que fez história no Brasil, na NBA e Seleção Brasileira

João José Vianna, o Pipoka, nasceu no dia 15 de novembro de 1963 na cidade de Brasília. Foi o segundo brasileiro a jogar num time da NBA – o Dallas Mavericks e participou da inesquecível conquista do ouro brasileiro no Pan de 1987, cujo a final foi contra os Estados Unidos, na casa deles, em Indianápolis.

LEIA MAIS:
Dançarino faz sucesso ao tentar lugar no time de cheerleader do Miami Heat; assista
Pela 1ª vez, China sediará Mundial de Basquete que ainda contará com 32 seleções
Bauru enfrentará Knicks e Wizards na pré-temporada da NBA

Pipoka começou sua carreira profissional no Clube Atlético Monte Líbano, em 1986, mas sua maior conquista com a seleção brasileiro veio no ano seguinte, quando atuava pelo São José: o ouro no Pan-Americano de 1987, contra os Estados Unidos, 4 anos após serem derrotados pelos mesmos americanos no Pan de 1983, em Caracas – Venezuela. A vitória, que veio após uma virada de 22 pontos, construída pelos norte-americanos ainda no primeiro tempo, foi um marco no Basquete, que começou a dar muito mais importância aos chutes de três pontos, arma letal que Oscar e Marcel -destaques daquele jogo, usaram para revirar o placar e acabar com a invencibilidade de 24 partidas invictas dos EUA em jogos oficiais. Aquela foi a maior vitória da Seleção até então.

Em outubro de 1991 ele assinou como agente livre pelo Dallas Mavericks da NBA, tornando-se o segundo atleta brasileiro na liga profissional de basquete dos Estados Unidos, mas jogou apenas um jogo, contra o San Antonio Spurs, marcando dois pontos e duas assistências.

Atuando como ala, ele participou de três Olimpíadas (1988, 1992 e 1996) e quatro Mundiais de Basquete (1986, 1990, 1994 e 1998) com a seleção brasileira. Em entrevista ao Terra, Pipoka relembra suas participações nas Olimpíadas e revela os momentos mais marcantes: “a primeira participação do Dream Team foi incrível. Jogar contra o (Michael) Jordan, o (Charles) Barkley, os tops dos tops, foi muito bom. Um dos pontos grandes (momentos) também foi a despedida do Oscar (Schmidt), que foi um ídolo do basquete mundial. Naquele jogo contra o time grego a emoção falou mais alto, todo mundo chorou.”, revelou o gigante de 2,04 metros de altura, relembrando o último jogo de Oscar pela Seleção.

No Brasil, ele passou por diversos clubes, mas com destaque ao time que iniciou sua carreira, o Monte Líbano, no qual venceu 3 paulistas, 4 campeonatos brasileiros, 2 taças sulamericanas e um vice campeonato mundial, em 1985. No Mogi das Cruzes, em 1996, foi campeão paulista, sendo esse o primeiro e único título da equipe. No Flamengo, em 1998, venceu o campeonato carioca duas vezes seguidas. Após se aposentar em 2007, com 43 anos, ele chegou a trabalhar com basquete diretamente, sendo o assistente técnico do Brasília. Inclusive, em 2009, quando o Brasília foi campeão do NBB, ele estava na comissão técnica do time. Contudo, depois desse título, Pipoka largou o Basquete profissional e foi virou professor universitário de Educação Física, em sua cidade natal, Brasília.

Crédito da foto: Divulgação/Facebook



Jornalista em formação no Mackenzie, estagiário do Torcedores.com e fotógrafo. Fanático por basquete, tênis, surf, futebol e futebol americano.