Santos x Joinville: Contra o lanterna do campeonato, Santos precisa ser eficiente

(Foto: Divulgação Santos FC)

O Santos enfrenta o Joinville neste domingo, na Vila Belmiro, em partida válida pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. A partida ocorrerá às 11h00 da manhã e promete estabelecer um público maior do que a média santista do campeonato. O Santos terá pela frente a pior equipe em pontos, mas as estatísticas do Joinville no campeonato evidenciam questões importantes que devem ser consideradas pelo selecionado santista. Para vencer o último colocado do Brasileirão, o Santos precisará ser eficiente.

No confronto geral, envolvendo Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, Santos e Joinville se enfrentaram sete vezes, com vantagem para o clube paulista, são três vitórias santistas, uma vitória para o clube catarinense e dois empates. No Campeonato Brasileiro são cinco encontros, com duas vitórias para o Santos, uma para o Joinville e dois empates. Na Vila Belmiro, considerando a totalidade dos jogos entre os clubes, são duas vitórias e dois empates. O retrospecto é favorável e o Santos irá enfrentar o lanterna da competição, com apenas nove pontos somados em catorze rodadas.

LEIA MAIS

Financeiro x oportunidades: como o Santos pode explorar a capacidade de consumo de sua torcida

 Opinião: Os limites da Vila Belmiro atrapalham na arrecadação do Santos

Um olhar mais atento sobre o números do Joinville no Brasileirão  indica o foco que a equipe santista deve ter ao encarar o rival deste domingo. Sobre as vitórias, o clube catarinense tem apenas duas, uma em casa, contra Goiás, e uma como visitante, diante do Figueirense em clássico regional. Como visitante são cinco derrotas e como mandante outras quatro, o que nos revela que o fator mando de campo não influencia os resultados no gramado.

Apesar de ser a equipe com menos número de pontos da competição, a defesa do Joinville não é a mais vazada, o próprio Santos, o Vasco, o Avaí, Flamengo e Figueirense superam o lanterna da competição nessa estatística. O Joinville tem a 6ª defesa mais vazada ao lado de Ponte Preta e Coritiba. A maioria dos gols sofridos pelo Joinville ocorreram no primeiro tempo (12), muito superior à quantidade de gols sofridos no segundo tempo (5). A maioria contundente dos gols sofridos foram marcados em jogadas dentro da área, o que corresponde a doze dos dezessete. Assim, jogar com a bola e valorizar a troca de passes parece ser a melhor solução para a equipe santista.

Com relação aos gols marcados pelo Joinville, a maioria, cinco dos sete, foram concluídos de cabeça, o que mostra que o jogo aéreo é a principal arma da equipe. O aproveitamento médio de passes da equipe joinvilense é de 87,73%,  o Santos, adversário do domingo, tem 91,8%, o Atlético Mineiro, líder do campeonato tem 90,56%. O aproveitamento de finalizações da equipe catarinense é de 36,36%, o Santos tem 37,19%, o líder do campeonato 43,88%.

A tendência nesse domingo é vermos um Santos buscando o jogo e dominando a posse bola,  mas é importante que a troca de passes ocorra no campo do adversário. As estatísticas do Santos mostram homens de defesa entre os números mais expressivos de passes certos, o que ficou evidente no clássico contra o Palmeiras. As estatísticas também indicam um grande número de lançamentos da zaga, para se ter uma ideia, o número de lançamentos de David Braz rivaliza com o número da soma de lançamentos de Vanderlei e Vladimir. É necessário que essa troca de passes se concentre próxima a área adversária com movimentação dos homens de frente. Sem, contudo, descuidar dos lances de cruzamento e de bolas paradas, que podem originar as principais chances do Joinville.

Em entrevista coletiva na data de ontem, Dorival reforçou a necessidade de estar atento à marcação e de priorizar a posse de bola. “Nós temos que estar muito atentos. É um jogo dificílimo que teremos. Eu não tenho dúvidas de que o espírito que tem marcado esse início de recuperação do Santos é o que tem que ser mantido para que o resultado apareça. Nós temos que jogar em igualdade de condições, com muita atenção, uma marcação muito forte e, a partir da posse de bola, a equipe tem liberdade para criar.”

Veja a entrevista completa: