Presidente explica que Gilberto não quis ficar no Botafogo

Botafogo

A saída do lateral-direito Gilberto do Botafogo foi mais uma no desmanche do elenco que vem ocorrendo desde o final do Campeonato Carioca. Além dele, Bill, Jobson e Rodrigo Pimpão foram outros nomes importantes que deixaram a equipe, assim como o treinador René Simões.

LEIA MAIS:
Cinco desafios para o Botafogo na era Ricardo Gomes

Neílton desembarca no Rio e deve assinar com o Botafogo nesta terça

Considerado uma das promessas nas categorias de base alvinegra, Gilberto acertou com a Fiorentina – ITA e vai render ao clube de General Severiano R$ 1,7 milhão (50% do valor da negociação, pois a outra metade fica com o CFZ). Contudo, a ideia do Botafogo não era vendê-lo, como explicou o presidente Carlos Eduardo Pereira ao programa Futebol de Verdade, da Rádio Globo:

“Tentamos renovar com ele desde março. O Gilberto era acompanhado por nós. Tínhamos a preocupação do Inter exercer a compra dos direitos dele quando voltou, e quando a nova comissão técnica assumiu indicamos logo: ‘esse rapaz tem enorme potencial’. Dois meses depois começamos as tratativas para renovar. Só que ninguém renova com alguém que quer ouvir outras propostas e buscar outro caminho. Ele já estava focado em outro direcionamento”, disse o dirigente.

No entanto, cabe ressaltar que os direitos econômicos do jogador estão comprometidos com credores do Botafogo devido a um empréstimo de R$ 20 milhões junto à Odebrecht, em 2013, ainda na gestão do então presidente Maurício Assumpção. Nesse acordo o clube cedeu como garantia parte dos direitos econômicos de 88 jogadores, entre eles o de Gilberto.

Foto: Divulgação/Botafogo