Pior da história? WTA de Florianópolis começa no sábado, mas é ignorado por jogadoras

Teliana Pereira

O Brasil vai receber a partir do sábado (25/07) o WTA de Florianópolis, um dos torneios de primeira linha do tênis feminino. Apesar disso, o campeonato é ignorado pelas tops e os organizadores encontram problemas até para fechar a chave do qualifying.

LEIA MAIS:

Bellucci e Feijão chegam à semifinal em torneio na Suécia

Até o momento, não há a confirmação da presença de sequer uma top 50 nesse evento criado para recolocar o Brasil no mapa mundial. A única seria a sueca Johanna Larsson, que é número 46, mas nem esse nome pode ser cravado. Para piorar, houve uma série de desistências.

Segundo o Bola Amarela, site especializado em tênis, está faltando jogadoras para compor a chave de qualificação e, por esse motivo, os dirigentes estenderam o prazo de inscrição para o WTA até esta sexta-feira (24/07), um dia antes das primeiras partidas.

As brasileiras se deram bem nessa história. Serão quatro atletas na chave principal, entre elas Maria Fernanda Alves, atual 679ª no ranking. Beatriz Haddad Maia, número 2 do país, não se recuperou de lesão sofrida no ombro durante os Jogos Pan-Americanos e fica de fora.

No calendário desde 2013, o WTA de Florianópolis será jogado nas quadras de saibro do Costão do Santinho e distribui 250 mil dólares em premiação. Ficou definido que não haverá cobrança de ingresso.

Foto: Cristiano Andujar/ CBT



Jornalista desde 2008, é um estudioso do esporte e se orgulha por ter participado da cobertura de duas Olimpíadas: na Folha e no iG. Fecha o caderno de esportes do jornal ABCD MAIOR, que fica na Região do ABC Paulista