Opinião: Oswaldo de Oliveira, o Chapinha de 2015

Oswaldo de Oliveira
César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação

O Palmeira vive um dos seus melhores momentos nesta década. O time que venceu o Vasco na noite de domingo entrou pela primeira vez no G-4, algo que não acontecia a desde a 13ª rodada do brasileirão de 2011. Jogando um futebol objetivo e em alguns momentos até vistoso de se ver, o Alviverde Imponente deve-se muito a esse momento ao técnico Oswaldo de Oliveira.


Boa fase e G-4 fazem Palmeiras tirar onda e provocar rivais na web; veja memes

Mas por que a comparação entre Oswaldo de Oliveira e o Otacílio Chapinha? O dia a dia mostra isso. No inicio de 1993, Chapinha recebeu um amontoado de jogadores. Algumas estralas, como Antônio Carlos e outras peças que pediam espaço, como Edmundo, Roberto Carlos e Edilson. Em 2015 aconteceu a mesma coisa. Oswaldo de Oliveira recebeu um grande nome que era o Zé Roberto e mais bons talentos, como Lucas, Gabriel, Arouca, Robinho, Vitor Hugo Rafael Marques e Leandro Pereira.

No Paulistão, Chapinha sofreu no começo. Ganhou alguns jogos, mas sempre faltava alguma coisa para imprensa dizer “agora vai”. Neste ano o cenário era o mesmo, até quando venceu o São Paulo por 3×0 e depois perdeu para Red Bull Brasil, a desconfiança ainda existia.

Em 1993 a troca aconteceu ainda dentro do estadual, o clube trouxe Wanderley(sim com W) Luxemburgo, que venceu o Paulistão de 1990 pelo Bragantino e era desejado por muitos clubes. Com a contratação de Luxemburgo, o clube,  depois de 16 anos voltou a vencer um campeonato. Porém, internamente, todos também creditam o título à Chapinha, pois foi ele quem montou o time.

Neste as coisas demoraram um pouco para acontecer. Oswaldão levou o time ao vice-campeonato Paulista, depois de eliminar o arqui-rival, Corinthians, dentro de seu estádio. No brasileirão as coisas não funcionavam, mesmo de pois de vencer um clássico. A troca foi feita, e Marcelo Oliveira, bicampeão brasileiro assumiu o time.

As vitórias estão acontecendo e o cenário, assim como em 1993, é o mesmo. Por isso, caso o título brasileiro venha a acontecer, metade do troféu é de Oswaldo de Oliveira, porque a estrutura em campo foi ele quem montou, como Chapinha em 1993.

Foto: César Greco / Ag. Palmeiras / Divulgação