Opinião: Toronto corre o risco de se tornar uma versão modernizada de Montreal’76

Toronto demonstrou que precisa melhorar bastante se quiser sonhar em ser sede olímpica. Se for no embalo e, de repente, ser eleita para Jogos de 2024, chance de fracasso é imensa

Estamos nos instantes finais dos Jogos Pan-Americanos Toronto 2015. Uma competição que agitou a cidade por 15 dias, e que até foi bem organizada pelo Cômite dos Jogos. Mas Toronto se animou demais, e com isso, corre o risco de se tornar uma segunda versão de Montreal’76. Para quem não sabe, os Jogos Olímpicos de Montreal em 1976 foram uma das edições mais problemáticas da história e causou uma dívida imensa para toda a cidade, que só foi devidamente paga 30 anos depois, em 2006.

Os Jogos Olímpicos ficaram desmoralizados na época, tanto que Los Angeles só organizou a edição de 1984, porque a edição foi bancada pela iniciativa privada. A imagem dos Jogos só melhorou mesmo a partir de Barcelona-92.

LEIA MAIS:
Especial: Quando o esporte olímpico me emocionou
Sede do Pan, Toronto ficou no “quase” duas vezes para receber Olimpíadas
Em entrevista exclusiva, Caroline Kumahara comenta desempenho do Tênis de Mesa no Pan

O motivo do texto é pelo fato que o Cômite Olímpico Canadense afirmar que Toronto vai pleitear receber os Jogos Olímpicos de 2024. A ideia é muito parecida com a do Rio de Janeiro que recebeu o Pan em 2007 e depois sendo eleita como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. O grande ‘canhão de confiança’ veio por conta do Pan.

Só que as coisas não são bem assim. Toronto gastou muito – e quando falo muito, é porque a cidade gastou mais que o Rio de Janeiro em 2007, sendo assim, a edição dos Jogos Pan-Americanos mais cara da história. A diferença é que, no caso do Rio, havia uma estrutura maior, principalmente nos locais de competição.

Citamos exemplos dos mais básicos de transmissão: O Handebol só teve a transmissão das partidas finais, sendo que um dos canais, o SporTV, transmitiu via internet, com apenas uma câmera. O Tênis de Mesa, outro esporte que foi destaque, sequer tinha transmissão via streaming. Era apenas no live-score, e olhe lá. Tanto que a CBTM fez o aovivo das finais por equipes e, por vezes, foi até mais versátil.

Outro detalhe básico foram os locais de competição: Em uma conversa, nosso colega Allan Simon citou que os locais não pareciam locais de provas mesmo (pareciam mais locais de treinamento), e ele tem razão nisso. Situações claras disso foram: O estádio de Hamilton, que recebeu o futebol, e o estádio de atletismo. Parecia que não eram estádios preparados para uma edição de um evento multi-esportivo, como são os Jogos Pan-Americanos.

A maioria dos eventos aconteceu em pavilhões. Sim, o Rio de Janeiro teve isso em 2007, com os pavilhões do Rio Centro sendo utilizados, mas não ter, por exemplo, um ginásio dedicado ao vôlei, foi um erro.

Muito me estranhava acompanhar o vôlei, e ver uma pilastra com a placa “A”, que nem eu vi na final do Vôlei Feminino.

Os Jogos Pan-Americanos em Toronto foram bons no quesito competições, mas razoáveis no quesito estrutural. Os locais de prova precisam melhorar e muito para que Toronto possa se cogitar como candidata a sede em 2028. Se candidatar para os Jogos de 2024 é um suicídio. É fazer a mesmíssima coisa que Montreal fez em 1976.

O Canadá, se for esperto, não vai cair nessa roubada. Toronto deve se candidatar para 2028, o que é o mais provável, mesmo sabendo que este Pan não teve o mesmo cartaz que o Pan de 2007 (não que aquela edição tenha sido um sucesso, mas a forma que foi organizado recebeu inúmeros elogios da ODEPA e do COI), que praticamente colocou o Rio na briga direta pela sede de 2016.

Crédito da Foto: Reprodução/Facebook



Jornalista de 28 anos, com passagens em diversos sites como UOL Esporte, Trivela, Fanáticos por Futebol, Doentes por Futebol e revistas como IstoÉ 2016.