Opinião: Luis Fabiano retornou como ídolo e saíra sem deixar saudades

Quando Luís Fabiano retornou ao São Paulo, em 2011, todos imaginavam que o Fabuloso deixaria seu nome marcado na história do clube e seria um ídolo eterno, assim como Raí, Rogério Ceni, Zetti, Lugano e Serginho Chulapa, mas não foi bem isso que aconteceu, em 4 anos desde a sua volta, o Fabuloso coleciona muitas contusões, polêmicas e expulsões e muitos torcedores já não creditam idolatria ao atual camisa 9 Tricolor.

Em sua primeira passagem pelo Tricolor, o Fabuloso anotou números impressionantes, foram 140 jogos e 106 gols, uma média de 0,75%, ou seja, quase um gol por partida. Depois de sair do clube o atacante passou por grandes clubes da Europa, como Porto e Sevilla, no clube Português foi apenas uma temporada, já no Espanhol foram 6 ótimas temporadas, 108 gols marcados em 229 jogos, números que o credenciaram para disputar a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.

Com esses dados, o atacante voltará ainda mais credenciado a ídolo e líder do elenco Tricolor, mas não foi bem assim. Em sua segunda passagem pelo São Paulo, Luís Fabiano com certeza não deixará saudades na torcida, principalmente pelas polêmicas neste ano, o último de seu contrato. Desde que voltou ao Morumbi, em 2011, o Fabuloso foi expulso 6 vezes, e a principal dela foi na final da Copa Sul Americana de 2012, contra o Tigre – ARG, o atacante era a principal esperança de gol do Tricolor e era a oportunidade única do Fabuloso conquistar um grande título com a camisa do São Paulo, fora a Sul Americana, ele conquistou apenas o Rio-São Paulo de 2001 e o Supercampeonato Paulista de 2002.

Atualmente, Fabuloso tem 34 anos, e parece cansado de sua história no São Paulo, na semana passada o atacante lamentou o fracasso na negociação com o Cruz Azul do México. “Não teve negócio, infelizmente, não teve negócio”, lamentou Fabuloso.

O fato é que Luís Fabiano tem seu nome marcado na história do Tricolor, por ser o terceiro maior artilheiro da história do clube com 205 gols, mas certamente não será um ídolo eterno, não terá seu nome e seu rosto gravado nas salas de grandes conquistas do clube. Hoje, o torcedor São Paulino crê que essa é a melhor hora para a saída do atacante e que ele não deixará saudades, uma vez que não vive boa fase, causa polêmicas internas e por seu temperamento explosivo.

Bastou Luís Fabiano sair em 2004, para o São Paulo conquistar tudo em 2005, quem saiba essa não seja a receita para o Tricolor voltar a ganhar títulos, não somente com a saída do atacante, mas sim com uma reformulação em todo o elenco.

Foto: Divulgação



Jornalista em formação. Fanático por esportes, principalmente futebol. Vivo em busca de desafios e oportunidades que a vida me proporciona.