Opinião: Chega de retranca, Celso Roth! Não escale 3 volantes no Vasco

Paulo Fernandes/Vasco

O Vasco conseguiu uma sequência de 3 vitórias consecutivas, o que permitiu a equipe chegar às Oitavas de Finais da Copa do Brasil e voltar a respirar no Campeonato Brasileiro. Boa parte do sucesso do time dentro de campo se deve, em dúvidas, a algumas mudanças táticas promovidas pelo técnico Celso Roth.

LEIA MAIS
Preocupado com o Vasco, Juninho afirma: “A direção tem que parar de falar besteira”
Com show de falhas do América, Vasco vence e avança às oitavas da Copa do Brasil
3 motivos que explicam a boa fase do Vasco da Gama

A confirmação de Jordi como reserva imediato de Martin Silva e a escalação de Anderson Salles como volante são as modificações mais sensíveis feitas pelo treinador cruzmaltino, contudo, há pelo menos mais um ponto que merece ser ressaltado: a vocação ofensiva do meio campo.

Com a exceção da última partida contra o América-RN, o Vasco estava jogando com 2 jogadores ofensivos no meio-campo e 2 volantes, mas na quarta-feira (22), Anderson Salles, Guiñazu e Serginho entraram em campo. Mesmo vencendo por 3 a 2, o Vasco passou sufoco e, principalmente, não agradou como nos jogos anteriores, em que atuou com um quarteto ofensivo.

Celso Roth, técnico famoso pelo excesso de cautela com que escala suas equipes, já testou o Vasco com 3 volantes diante do São Paulo e o resultado de 4 a 0 para o Tricolor paulista deixa claro a inviabilidade desse esquema. Logo após o apito final em Natal, Roth não descartou voltar a usar a formação: “Eu acho que o esquema está bom, é uma opção que nós temos no grupo e vamos aproveitar quando pudermos”, disse o técnico vascaíno em coletiva.

Seja como for, o fato prova que fazendo isso a equipe perde em qualidade técnica e até mesmo em capacidade tática. O Vasco precisa respeitar seus adversários, mas a melhor maneira de fazer isso é não sendo retranqueiro. Portanto, chega de retranca, Celso Roth! Não escale 3 volantes no Vasco.

Foto: Paulo Fernandes/Vasco