No Dia do Amigo, relembre algumas brigas no mundo da bola que foram perdoadas

MADRID, SPAIN - OCTOBER 02: Cristiano Ronaldo of Real Madrid CF (L) celebrates with team-mate Marcelo after scoring the opening goal of the UEFA Champions League group B match between Real Madrid CF and FC Copenhagen at Estadio Santiago Bernabeu on October 2, 2013 in Madrid, Spain. (Photo by Gonzalo Arroyo Moreno/Getty Images)

Esta segunda-feira (20) é a data em que se comemora o Dia do Amigo. E, por causa disso, o Torcedores.com relembra algumas brigas histórias que acabaram tendo final feliz para todo mundo. Confira:

LEIA MAIS:
Cristaldo comemora Dia do Amigo com amigo imaginário; veja

 

Wenger x Mourinho
Arsène Wenger e José Mourinho discutiram durante um clássico Arsenal x Chelsea.
O francês não gostou das reclamações do português e empurrou o adversário durante o jogo.
Mourinho, em outubro de 2014, declarou que não iria pedir desculpas por terchamado o rival de “especialista em fracassos”.

“Eu não recebi nenhum pedido de desculpas, então não vou me desculpar. Meu sentimento é de superar tudo isso e seguir em frente sem pensar no que aconteceu, não é preciso pedir desculpas. Eu não preciso de um pedido de desculpas, e também não preciso me desculpas.” disse o treinador português.

Um mês depois, técnico do Arsenal participou de um programa de TV onde foi convidado a apertar as mãos de uma foto de papelão do comandante do Chelsea. E Wenger resolveu fazer as pazes com o técnico dos Blues… pelo menos com a versão em papelão dele.

Após a discussão em 2014, Mourinho e Wenger nunca oficializaram o “acordo de paz” entre eles. Mas em uma entrevista, Mourinho deu uma declaração que comprovou que a relação dos dois é boa e que tudo ficou para trás. “No futebol, mesmo que se seja amigo e se respeite o outro, às vezes dizem-se coisas que uma pessoa não gosta e aí reage-se. Mas, ao fim e ao cabo, respeito-o imenso e sinto que ele pensa o mesmo em relação a mim”. E você, acredita mesmo que eles são amigos? .

Marcelo x Cristiano Ronaldo (foto)
Brasil e Portugal fizeram um amistoso em Brasília, no ano de 2008. Cristiano Ronaldo mal pegou na bola no Bezerrão e viu sua equipe ser goleada por 6 a 2 pelo time de Dunga.
Vendo o chocolate que Portugal levava do Brasil, Cristiano Ronaldo perdeu a cabeça discutiu asperamente com o lateral-esquerdo Marcelo. O português foi bastante vaiado e chegou a ser hostilizado pela torcida. Hoje, companheiros de Real Madrid, são grandes e inseparáveis amigos. CR7 chegou ao Real em 2009, e o fato de falarem o mesmo idioma ajudou a aproximá-los, e o bom desempenho em campo só aprofundou a relação. O lateral esquerdo da seleção está sempre ao lado do português.

Suárez X Chiellini
Essa é recente… e com certeza você deve se lembrar. durante o jogo entre Uruguai e Itália, pela última rodada do Grupo D da Copa do Mundo, Suárez perdeu a cabeça e mordeu o zagueiro italiano. Seis dias depois, Luis Suárez usou o Twitter para pedir desculpas a Chiellini: ‘Estou profundamente arrependido’. Logo em seguida ao pedido de desculpas, Chiellini respondeu ao atacante, também por meio de seu perfil no Twitter, afirmando que tudo já está esquecido. O zagueiro ainda disse torcer para que a Fifa reduzisse a pena imposta ao uruguaio.

Obina X Maurício
Em novembro de 2009, O atacante Obina e o zagueiro Maurício trocaram agressões na saída do intervalo da partida entre Grêmio e Palmeiras. Após o apito do árbitro Héber Roberto Lopes, os dois começaram a discutir asperamente. Após a confusão, ambos foram demitidos pelo clube paulista.
Hoje em dia, Maurício e Obina reataram a amizade, e garantem que tudo aquilo foi apenas um momento de descontrole. “– Aquilo aconteceu por causa do momento da partida. Nós dois estávamos com muita vontade de ganhar e acabamos nos desentendendo no intervalo. Nós somos amigos, conversamos no vestiário. Ficou muito chato para mim e para ele –” disse Maurício em uma entrevista.

Djalminha x Renato Gaúcho
Uma das maiores revelações do Flamengo no início dos anos 90, Djalminha teve sua trajetória no clube abreviada por um incidente disciplinar. Em partida contra o Fluminense, no estádio Caio Martins, pelo Torneio Rio-São Paulo de 1993, o meia, então com 22 anos, trocou empurrões com o já consagrado companheiro de equipe Renato Gaúcho.

O desentendimento pesou para o lado de Djalma, que acabou dispensado da Gávea. Com o passar dos tempos, os jogadores fizeram as pazes e os dois afirmam que não há qualquer tipo de mágoa ou ressentimento por conta do incidente. “O Djalminha tem uma personalidade forte, ele quer sempre ganhar e eu também. O importante é que, depois daquilo, já saímos juntos e conversamos sobre o ocorrido”, revelou Renato.

Cris x Eduardo
O ex-goleiro Eduardo já protagonizou uma polêmica com o zagueiro Cris. Em 2004, o defensor celeste comemorou o título mineiro próximo à bandeirinha de escanteio, onde estava a divisa das torcidas de Atlético e Cruzeiro. Irritado com a provocação, Eduardo foi tirar satisfações e os dois atletas brigaram. Posteriormente, fizeram as pazes. Após as pazes, Eduardo afirmou que aquilo ficou no passado, e que não existe nenhuma mágoa entre ele e o Cris. ” Aquilo foi uma falha isolada, que marcou, sim, mas consegui reverter.”, disse Eduardo, hoje treinador de futebol.

Lucas Coelho x Pará
Em 2014, Pará e Lucas Coelho se estranharam e trocaram socos em treino do Grêmio. Em uma disputa de bola, atacante e lateral protagonizaram sucessivas divididas, até que Pará atingiu o atacante. A resposta foi imediata, com socos e chutes. Lucas Coelho ainda deu um chute na bola em direção do defensor.

O técnico Felipão manteve os dois jogadores até o final do treinamento. Depois, chamou a dupla para uma conversa reservada. “Cheguei um pouco mais forte, mas a gente já conversou ali, já se desculpou. Todos sabem o jeito que eu jogo, mas aconteceu. Pedi desculpa, dei um abraço” disse Pará, comprovando que o incidente não tornou os dois inimigos.

Marquinhos X Tévez
Em 2005, durante um treinamento do Corinthians, os jogadores perderam a cabeça e partiram para a agressão. Um dia após o acontecimento, Marquinhos e Tevez fizeram as pazes oficialmente. De volta ao Parque São Jorge, onde aconteceu a confusão, eles treinaram normalmente, deram entrevistas juntos, disseram estar arrependidos e atribuíram o incidente a um lance fortuito de treino, uma irritação de momento.

Balotelli x Mancini
Durante um treinamento do Manchester City, o atacante e o treinador quase saíram no tapa, O episódio aconteceu quando Mancini chamou a atenção de Balotelli após uma dividida com um companheiro de equipe. Os dois começaram a discutir e o atacante partiu para cima do treinador. A “turma do deixa disso” agiu rapidamente e apartou a confusão. Em uma entrevista, o agende de Balotelli afirmou que o então atacante do Manchester City Mario Balotelli havia resolvido suas diferenças com o técnico Roberto Mancini. Dá pra acreditar?

Edilson x Paulo Nunes
ídolos de Corinthians e Palmeiras, os jogadores saíram no braço durante a final do campeonato paulista de 1999, vencida pelo Timão. Em 2013, durante uma entrevista, Paulo Nunes contou bastidores da briga dele com Edilson na final do Paulista de 99, vencida pelo Corinthians sobre o Palmeiras. “Edilson era da turma de se encontrar depois dos jogos. Eu, ele, Vampeta, Gamarra. O único problema que tive com o Edilson foi a briga mesmo contra o Corinthians. Nos reunimos em um almoço e ficamos rindo do que fizemos. Hoje não pode fazer mais isso, está tudo muito politicamente correto”.

Zidane x Materazzi
Na final da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, Zidane acertou uma cabeçada em Materazzi e foi expulso durante a prorrogação da partida. Na decisão por penaltis, a Itália levou a melhor sobre a França e ficou com o título. Quatro anos após o acontecido, o ex-jogador francês e o zagueiro do Inter se encontraram em Milão, na última quarta-feira, antes do duelo entre Real Madrid e Milan pela Liga dos Campeões. Após uma conversa, os dois antigos desafetos se abraçaram segundo o diário “Marca”. “Demos as mãos e eu disse: ‘Desculpe-me pelo que aconteceu’. Ele respondeu: ‘Está tudo bem, não se preocupe’. Agora está tudo certo. Foi um papo de homem pra homem, não há nada melhor que isso”, disse o jogador italiano.

É comum perder a cabeça e acabar cometendo um erro. Isso não só no futebol. No nosso dia a dia também. O que importa mesmo, é o que fazer após cometer esse erro. E o arrependimento é o primeiro passo para o perdão. Esses casos no mundo da bola comprovam que o jogo passa, e o que importa é a amizade. Afinal, perdoar é muito bom, e ser perdoado, também. O verdadeiro erro é insistir nele e não mudar, é não se perdoar, é não pedir perdão.

Crédito da foto: Getty Images



Estudante de jornalismo na Universidade Federal da Paraíba, natural de Vicência-PE