Apresentador do SporTV revela que já trabalhou em sex shop e foi ‘gogo boy’

Flamengo
Crédito da foto: Reprodução/SporTV

O apresentador do SporTV, André Rizek, hoje é um dos principais nomes da emissora esportiva da Globosat. Com vasta experiência no jornalismo especializado em Esportes, poucos imaginavam que ele tem um passado meio inusitado e inimaginável. Por exemplo, você sabia que ele já foi vendedor de vibradores e “gogo boy”?

LEIA MAIS
Em programa, Flávio Prado cumpre aposta e se veste de abelha
Renata Fan critica canal da Globo por omitir nome de funcionário da Band que morreu
Juca Kfouri “cutuca” Galvão Bueno e critica Del Nero; entenda

Mas calma, foi tudo pelo jornalismo. Aconteceu quando o jornalista integrava a redação da revista Playboy, no fim dos anos 1990, e teve que passar por situações engraçadas nas reportagens que produzia, como ele contou ao UOL Esporte nesta quarta-feira (22). “Fiz muita coisa divertida lá. Trabalhei três anos na revista e virei uma espécie de repórter gonzo, que vira personagem das matérias. Então eu trabalhei, anônimo, num sex shop por oito dias, vendendo muito estimulador de clitóris por controle remoto, era o que eu mais vendia! Também anônimo, fui ao Encontro Nacional dos Swingers, em BH. Até ‘gogo boy’ por um dia eu fui”, relatou o apresentador do Redação SporTV e do Troca de Passes.

E fez questão de explicar como foi ser “gogo boy” por 24 horas. “Era um curso de sexo para mulheres, que ensinava como elas (mulheres mais ricas) poderiam dar mais prazer aos maridos. Ensinava a fazer um bom strip tease, colocar camisinha com a boca… Os ‘gogo boys’ serviam para estes testes, digamos, práticos. E eu fui, porque a diretora (Cynthia Almeida) queria essa pauta de qualquer maneira e combinamos com a professora de eu estar lá. Como gogo boy… Meu desempenho, obviamente, foi uma tragédia. Mas a matéria ficou legal!”, disse Rizek, que lembra com bom humor da época de Playboy.

O jornalista esportivo também revelou ao portal qual evento mais marcou sua carreira e confidenciou que vai às lágrimas com facilidade. “Os eventos que me deram mais prazer foram as matérias da Playboy, claro! Mas, falando sério, a Copa de 98 pelo Lance! Foi demais… Eu tinha 23 anos e foi tão emocionante que, no meu primeiro jogo, Marrocos x Noruega, em Montpellier, chorei demais, muito mesmo, chorava copiosamente por estar lá, numa Copa! Sou meio chorão…”, lembra o “chorão” André Rizek, que começou a carreira no extinto Jornal da Tarde.

Crédito da foto: Reprodução/SporTV

* Curtiu esta matéria? Siga o autor no Twitter: @marciodonizete



Jornalista desde 2012, com passagens pelos jornais ABCD Maior e Diário do Grande ABC, além do canal NET Cidade. Atualmente como repórter colaborador no site Torcedores.com.