#Tite54anos: Relembre o título do Brasileirão 2011, o primeiro de Tite pelo Timão

Arquivo

No início de 2011, Tite ficou por um fio de deixar o comando do Corinthians. A vexatória eliminação na Pré-Libertadores diante dos colombianos do Tolima fez a torcida pressionar demais o treinador, que estava em sua segunda passagem pelo Parque São Jorge. Para variar, Ronaldo ‘Fenômeno’ anunciava sua aposentadoria e tudo indicava o término de mais um ciclo sem títulos no clube. Mas o então presidente Andrés Sanchez chamou a responsabilidade e bancou a permanência de Tite à frente do elenco. A decisão se provaria a mais acertada nos meses seguintes.

LEIA MAIS:
#Tite54anos: Relembre Tite e o seu “Fala Muito” para Felipão
#Tite54anos: Relembre a primeira conquista do técnico em um grande clube
#Tite54anos: A curta carreira como jogador de futebol

Nem o vice-campeonato do Paulistão foi o bastante para balançar o ‘Professor’. Ainda restava o Campeonato Brasileiro para se focar e o Timão mostrou desde a primeira rodada a marca registrada de Tite: a eficiência. Foram oito vitórias (sendo sete de forma consecutiva) nas primeiras 10 partidas, com direito a uma goleada de 5 a 0 sobre o arquirrival São Paulo na 6ª rodada. O ‘ex-são-paulino’ Danilo e o centroavante Liedson foram os destaques no chocolate sobre o Tricolor no Pacaembu, que já colocava o Corinthians na liderança isolada da competição.

Nó tático
A ponta da tabela foi constante na campanha de Tite já que o Timão não teve adversários à sua frente em 27 das 38 rodadas do campeonato. A equipe impressionava pela organização tática em campo, com marcação adiantada, por zona, pressionando o adversário desde o campo de defesa.

Jorge Henrique despontava como o jogador polivalente no esquema ultra organizado do Professor, com ‘saúde’ para atacar e voltar como ala na esquerda. Ralf e Paulinho se consolidavam na proteção do meio campo, lembrando os tempos de Cristian e Elias de 2009. Danilo comandava a armação com Willian, ora na direita no esquema 4-2-3-1, ora mais avançado para servir Liedson (no 4-4-2), artilheiro do time na competição com 10 gols.

Para se ter uma ideia, essa base era tão confiável que o Corinthians foi o time que menos usou jogadores ao longo das 38 rodadas – foram 27 atletas relacionados por Tite. Mas os aspectos técnico e tático não foram os únicos a se destacar na filosofia do Professor Adenor. A força mental foi exigida em alguns momentos que o Timão tropeçou no caminho e via o Vasco da Gama ameaçar de perto.

Momentos difíceis
A primeira derrota no campeonato veio na 11ª rodada contra o Cruzeiro no Pacaembu. O gol de Wallyson praticamente do meio campo ainda não é esquecido pelo torcedor bom de memória. O deslize do goleiro Renan refletiu na queda momentânea que perdurou na rodada seguinte quando o Timão perdeu para o modesto Avaí na Ressacada.

As derrotas nos clássicos contra o Palmeiras (2 a 1 de virada, pela 19ª rodada) e Santos (3 a 1 na 24ª) pareciam apontar o teste de resistência por vir na sequência. Na 31ª rodada, o Timão perdeu a liderança para o Vasco ao empatar com o Internacional. Tite foi posto novamente à prova pela imprensa e a Fiel temia por nova frustração na temporada.

Final com chave de ouro
Entretanto toda desconfiança foi embora nas sete rodadas finais, em que o Corinthians emplacou seis vitórias consecutivas – o gol de Adriano na vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-MG foi mais um sinal de que o jejum de Tite estava por fim – e o empate com o Palmeiras sacramentou o pentacampeonato brasileiro. O coraçãozinho para o Pacaembu lotado foi o que precisava para que Tite caísse nas graças da Fiel.

Em sua volta ao Timão após uma passagem conturbada na era MSI em 2005, o treinador finalmente começava a construir a trajetória vitoriosa pelo clube de Parque São Jorge. Dez meses depois do trauma ‘Tolima’, lá estava o Corinthians de volta à Libertadores. O destino seria bem diferente, assim como o Torcedores.com conta nas páginas seguintes…

Relembre os melhores momentos da conquista corintiana:

Curtiu essa matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.

Foto: Arquivo



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.