“Se fosse hoje eu não venderia o Barcos”, diz ex-diretor do Palmeiras

Palmeiras
Foto: César Greco/Ag.Palmeiras

José Carlos Brunoro, ex-diretor executivo do Palmeiras, em entrevista ao portal ESPN, afirmou que se estivesse na diretoria do clube alviverde hoje e a mesma situação aparecesse, não venderia o atacante argentino.

LEIA MAIS
Palmeiras terá duas “armas secretas” contra o Goiás
Mercado da bola: Palmeiras tem interesse em Luis Fabiano, diz rádio
Palmeiras fica próximo de fechar com Leandro Almeida, do Coritiba

Mais de dois anos se passaram, mas a prova de que a negociação do centroavante Barcos para o Grêmio foi muito mal digerida pelos palmeirenses é a repercussão que esse assunto ainda possui. José Carlos Brunoro, ex-diretor executivo do Palmeiras e responsável pela venda do atleta em 2013, em entrevista ao portal ESPN, se mostrou arrependido.

“Se fosse hoje eu não venderia o Barcos. Não por questões financeiras, pois agora as pessoas veem que foi um bom negócio, mas por questão de imagem. O Palmeiras estava sem ídolo e ele era ídolo, olhei muito a situação do clube, que devia muito para ele e tinha o risco de perdê-lo totalmente”, desabafou.

“O Santos vendeu os jogadores sem ressarcimento, com FGTS atrasado que deixa o jogador livre, então a gente tinha esse risco iminente por não pagar essas coisas há algum tempo. O Barcos era visado e não tínhamos elenco para a Libertadores e o Paulista, vieram quatro jogadores e exigimos 15% do Marcelo Moreno, que foi vendido e deu dinheiro ao Palmeiras. O Barcos vendido também deu percentual ao Palmeiras”, explicou o ex-diretor, antes de sentenciar: “Como imagem eu não faria de novo hoje, mas como negócio acabou sendo bom, só que acabou tendo um desgaste muito grande e eu não faria de novo”.

Foto: César Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação