Ex-presidente da CBF é detido por fraude na Suíça, diz emissora de TV

Uma operação surpresa deflagrada pela polícia Suíça prendeu pelo menos seis dirigentes da Fifa por suspeita de fraude nesta terça-feira. Os cartolas ficarão presos em Zurique e deverão ser extraditados para os Estados Unidos. Segundo repórteres da BBC, José Maria Marin, ex-presidente da CBF, seria um deles.

LEIA MAIS:
Opinião: Fábio, do Cruzeiro, é novamente injustiçado na seleção brasileira
Ex-presidente do Flamengo descarta rebaixamento: “Sempre haverá uma solução”

De acordo com o “The New York Times”, a ação dos suíços foi movida por um pedido de autoridades americanas. Os detidos são acusados de corrupção na escolha das sedes para as Copas da Rússia (2018) e Catar (2022), além dos contratos de marketing e de televisionamento dos eventos. O governo americano também suspeita que dirigentes da Fifa teriam pagado mais de US$ 100 milhões de dólares em propinas desde os anos 1990.

Não custa lembrar que no início do mês de maio, o presidente da FIFA Joseph Blatter, que em princípio não está entre os envolvidos, afirmou ter conhecimento de que alguns de seus colegas estavam sendo investigados. Nesta sexta-feira (29), ocorre o Congresso da FIFA no qual Joseph Blatter tentaria buscar seu quinto mandato como presidente da entidade

Dentre os detidos estão, segundo o NY Times, além de José Maria Marin, Nicólas Leoz (ex-presidente da Conmebol 1986 – 2013), Eugenio Figueiredo (ex-presidente da Conmebol 2013 – 2014), Jack Warner (ex-presidente da Concacaf 1990 – 2011), Jefrey Webb (presidente da Concacaf desde 2012), Eduardo Li (presidente da federação contarriquenha desde 2007), Julio Rocha (ex-presidente da federação nicaraguarense 1988-2012), Costas Takkas (secretário-geral da federação caimanesa) e Rafael Esquivel (presidente da federação venezuelana desde 1988).

Foto: FIFA/Divulgação