Ecos do GP de Mônaco

Fonte: Instagram Hugo_F1 ureau

Incredulidade, essa é a palavra que pode ser usada para definir o final do glamouroso GP de Mônaco. Por se tratar de uma corrida monegasca, devo dizer que aguardava uma prova pegada, acidentada, cheia de emoções, mas não foi o que aconteceu.

LEIA MAIS: Montoya vence a Indy 500 pela segunda vez

O despertador tocou as 08h45min e lá fui eu, todo feliz assistir a corrida, aguardando é lógico por emoções, que tolo eu. Pontualmente as 09h as luzes vermelhas se apagaram e a corrida teve início. Acidente na Sainte-Dévote?  Não, apenas Hulkenberg (isso mesmo, diferente do que a galera da Globo ficou falando foi o alemão da Force India e não Maldonado) que amassou Felipe Massa contra o guardrail e destruiu a corrida do brasileiro, isso com apenas 300 metros de corrida.

A TV não mostrou, mas a Williams do Brasileiro ficou bastante danificada, corrida que segue. A emoção não aparecia, Hulkenberg ainda se encontrou com Alonso na primeira volta e teve o bico de sua Force India destruído, o espanhol da McLaren fora punido mais tarde.

A corrida se arrastava como uma rápida procissão e o sono era arrebatador, confesso que quase fui vencido por ele. A possível diversão da Corrida, Maldonado abandonara no começo da prova com problemas nos freio. Até que na 64ª das 78 voltas ela veio, ah! A emoção de Mônaco. Verstappen tentou passar Grosjean no final da reta dos boxes, mas errou o cálculo, acertou o pneu da Lotus e saiu desgovernado em direção à barreira de proteção. Uma batida forte e seca, por sorte o caçula da categoria nada sofreu.

Muitos criticam o menino por ter “apenas” 17 e ser inconsequente, inclusive o narrador da TV globo. Eu discordo, em um mundo onde ninguém tenta nada na F1 o moleque tenta mesmo, é arrojado, a meu ver tinha que tentar passar mesmo, não conseguiu, bateu, paciência, pelo menos adquiriu experiência de como (não) fazer as coisas.

Com a ToroRosso estacionada na esquina da Saint-Dévote, o safety-car virtual foi acionado, e logo em seguia o safety-car real e então a veio a cena da corrida: as câmeras flagraram Hamilton entrando nos boxes. Pensei: “Vettel e Rosber devem vir também”, mas não vieram. Pensei novamente “em Mônaco, os pneus pouco se desgastam, Vettel e Rosberg, não vão entrar, jogaram a corrida de Hamilton fora”.

E foi o que aconteceu, não vou ser hipócrita e dizer que não dei risada. Sim, ri com gosto e mal podia esperar pelo fim da corrida para ver a cara de Hamilton no pódio. No final ainda uma ordem de equipe bacana da RedBull: Ricciardo vinha rápido em 5º a equipe pediu a Kvyat que deixasse o companheiro passar, para tentar “beliscar” um pódio,  como Ricciardo não conseguiu, devolveu a posição para o companheiro de equipe, em um belo gesto esportivo.

Ao final da corrida os dez primeiros foram: Rosberg (que ria de orelha a orelha), Vettel, Hamilton, Kvyat, Ricciardo, Raikkonen, Perez, Button, Nasr e Sainz.

Hamilton tinha cara de poucos amigos, sequer esboçou algum sorriso, não estourou a champagne e deixou seu troféu ali, na tribuna de honra mesmo.  Perez fez bonito levando a Force India aos pontos, assim como Button, ao fechar em oitavo e angariar pela primeira vez pontos à McLaren em 2015.

Nasr fez uma corrida segura, longe de erros, foi herdando posições e terminou em nono, levando pontos importantes para a Sauber, ótima corrida do Brasileiro. A Williams foi a decepção do final de semana, com Massa em 15º e Bottas em 14º a equipe inglesa colocou fim a uma sequencia de  24 provas seguidas pontuando.

Vettel atualmente está colocando Raikkonen no bolso, é com certeza o melhor do restante, uma pena não ter carro para se infiltrar na briga das Mercedes.

Hamilton disse que “ganha e perde junto com a equipe”, tudo balela. O inglês certamente deu escândalo, a diferença que podia estar em 27 pontos, hoje está em apenas 10. O erro da Mercedes reacendeu o campeonato, uma ótima noticia.

A fórmula 1 agora desembarca no Canadá, no dia 07 de junho, a F1 acelera mais uma vez na bela e divertida pista de Montreal.



Serranegrense de 26 anos. Diferente da maioria dos escritores,não sou jornalista formado, e sim cientista, detalhe esse que não diminui minha paixão pela escrita automobilística. Apaixonado por esportes à motor desde criança, se há corrida passando na TV, paro pra assistir independente do que tenho pra fazer. F1, F-Indy, Motogp, Stock Car, Formula-E.