Armero diz que bandeira assumiu erro no gol da derrota do Fla; reveja

Jamira Furlani/Avaí F.C.

Na derrota para o Avaí por 2 a 1, o Flamengo ficou na bronca com a arbitragem que validou o segundo gol dos catarinenses em lance em que o passe de Anderson Lopes para Hugo deveria ter sido paralisado, pois a bola já tinha ultrapassado a linha de fundo. O assistente Anderson José de Moraes Coelho não levantou a bandeira e o juiz Raphael Claus deixou a jogada seguir. O Leão da Ilha marcaria o tento da vitória na sequência.

LEIA MAIS:
Z-4 não assusta Luxa, que garante: ‘Não vamos ficar na confusão esse ano’
Ex-Fla, Léo Moura critica ‘cornetas’ e torcedores se revoltam com jogador; veja
Flamengo perde para o Avaí e vira motivo de piada na web; confira

Estreante com a camisa rubro-negra, o lateral Pablo Armero revelou que o assistente admitiu o erro após o jogo. “O bandeirinha depois disse para mim que errou. Então, eu pergunto: por qual motivo não voltou o lance? O juiz tinha de mudar o lance”, opinou o colombiano.

O zagueiro Wallace também criticou bastante a atitude do trio, mas assumiu que o Flamengo foi mal mais uma vez em campo. “O erro definiu o resultado. A bola saiu quase um metro, e o bandeirinha não viu. Foi um erro da arbitragem, mas não podemos colocar a culpa neles. A culpa não é deles, a culpa é nossa. Não marcamos bem e não finalizamos na frente. O conjunto foi abaixo”, desabafou o defensor.

Reveja o lance polêmico:

Armero corroborou a opinião do companheiro de time. “Perdemos o jogo por culpa nossa. Estamos errando demais, por isso não ganhamos. A culpa não foi da arbitragem. A culpa é nossa”.

O Fla está na 17ª posição do Campeonato Brasileiro com apenas um ponto somado em três partidas. O próximo compromisso é o clássico contra o Fluminense no próximo domingo. Antes, na quarta-feira, o Rubro-Negro recebe o Náutico no Maracanã pela partida de ida da terceira fase da Copa do Brasil.

Curtiu essa matéria? Siga o autor no Twitter: @fontes_matheus.

Foto: Jamira Furlani/Avaí F.C.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.