Quase oito anos depois, Doni relembra conquista da Copa América: “Dunga foi fundamental”

Sem poder contar com seus grandes ídolos, entre eles Kaká e Ronaldinho Gaúcho, a Seleção Brasileira foi para a Copa América quase que sem o peso de ter a obrigação de conquistar o título.

Aliado a isso, o fato da Argentina chegar na competição com um time forte, composto por Juan Román Riquelme, Carlos Tevez e o jovem Lionel Messi, fazia com que os hermanos tivessem a “obrigação” de levantar o troféu naquela edição da competição continental.

Apesar de todo esse cenário, o Brasil conseguiu passar pelos seus adversários e na final encontrou a favorita seleção argentina. Diante do seu maior rival, o Brasil teve a sua melhor atuação na Copa América e acabou atropelando a albiceleste por 3 a 0 com gols de Júlio Baptista, Daniel Alves e Ayala, contra.

Entre os convocados por Dunga para a disputa da Copa América, o goleiro Doni foi um dos mais questionados pelos torcedores. Inicialmente reserva, Doni acabou conquistando nos treinamentos a vaga para de titular e acabou surpreendendo. Na disputa de pênaltis na semifinal diante do Uruguai, o goleiro foi decisivo para a conquista da vaga na final.

Em entrevista ao site oficial da Copa América 2015, Doni falou sobre os principais momentos da campanha, onde citou a vitória contra o Chile como o ponto chave para a confiança do grupo aumentar.

LEIA MAIS

Ex-Palmeiras quer defender a seleção italiana: “Acho que posso ser útil”

“Eu vinha treinando como segundo goleiro e fui informado que jogaria somente antes da partida de estreia. Começamos com uma derrota e tivemos reuniões para corrigir os erros. Depois da goleada nas quartas (Brasil 6×1 Chile), sem dúvida ganhamos muito mais mais confiança e motivação, mas lembro que mantivemos sempre os pés no chão”, disse o goleiro, que falou sobre a partida diante do Uruguai, onde defendeu os pênaltis cobrados por Lugano e Forlán.

“Foi muito importante o jogo que fizemos (empate por 2 a 2 no tempo normal). Jogamos bem. Tenho sempre uma defesa na mente de um chute do Diego Forlán, de fora da área. Nos pênaltis, na época víamos sempre vídeos dos batedores antes do jogo. Deu certo. No final, foi só festa no vestiário”, disse o camisa 12.

Quando o assunto foi a final contra a Argentina, Doni fez questão de enaltecer o trabalho de Dunga, dizendo que a palestra dada pelo treinador no hotel fez a equipe ser campeã.

“Ganhamos o jogo ainda no hotel. O Dunga deu uma palestra motivacional, mostrando jornais e comentários em que todos diziam que iríamos perder de goleada. Saímos dali com uma confiança enorme e motivados demais. Em campo foi o esquema tático e a motivação. Ali ganhamos aquela final. O grupo era fechado contra as críticas, mas o Dunga foi fundamental para isso. Ele batia de frente com qualquer um para defender o seu grupo. Isso é fundamental para os jogadores se unirem e lutarem contra todos”, afirmou o ex-goleiro.

Doni abandonou a carreira em 2013, após exames médicos constatarem problemas de arritmia cardíaca. Quando era jogador do Liverpool, Doni correu risco de morrer quando o seu coração parou por 25 segundos durante uma bateria de exames. O ex-goleiro afirmou que evitar assistir partidas de futebol, pois ainda sente saudade dos tempos em que atuava profissionalmente.

“Levo uma vida normal, graças a Deus. Tenho uma vida no mundo empresarial, mas, claro, é só ligar a televisão em algum jogo que a saudade bate. Às vezes até evito de assistir. Mas sempre procuro acompanhar os meus ex-clubes”, concluiu Doni.

(Foto: Getty Images)



Jornalista com passagens pela Rádio K (Goiânia) e sites Portal MF e PlanetaSportivo. Atualmente é Apresentador e Comentarista da Rádio RDG Esportes (www.rdgesportes.com.br) e editor de esportes do Jornal O Regional.