Programa de sócio-torcedor do Vasco cresce menos do que o do Santo André

O torcedor vascaíno certamente se lembra do dia em que o Santo André, no Maracanã, superou o Flamengo por 2 a 0 e se sagrou campeão da Copa do Brasil de 2004. Contudo, isso não fez com que a equipe do ABC paulista, de onde também já havia surgido o São Caetano alguns anos anteriores, se tornasse uma das potências do futebol nacional, mas em 2015 o plano de sócio-torcedores do Ramalhão vem trazendo melhores resultados do que o do Vasco.

Para tratar desse assunto, o Torcedores.com fez uma análise dividida em tópicos, pela qual mostra como a ideia de O Vasco é Meu ainda não decolou. Confira:

Número de sócios:

Segundo o Torcedômetro, a ferramenta do Movimento por Um Futebol Melhor que faz a contagem do número de sócio-torcedores dos clubes inscritos no programa, o Vasco tem 16.126 sócios cadastrados, o que lhe garante a 13ª posição dentre as equipes do futebol brasileiro;

Evolução em 2015:

Neste ano, o Gigante da Colina já conseguiu 1.016 adesões, o que significa, em média, 254 pessoas cadastradas por mês. Esses números, no entanto, o colocam apenas como o 14º time que mais cresce no país nesse quesito, atrás, por exemplo, de equipes de menor expressão como o Santo André (13º) e o Londrina (10)º.

Pontos fortes:

O grande positivo do plano de sócio-torcedor do Vasco da Gama está nos benefícios concedidos para seus adeptos. A depender do tipo de plano escolhido, o torcedor ganha desde desconto de meia entrada até pode conseguir um título do clube, isso tudo, é claro, sem esquecer as promoções que ocorrem a cada partida, como o sorteio para cobrar um pênalti em São Januário durante o intervalo de um jogo;

Pontos fracos:

O fato de o projeto não ter engajado da maneira que se precisa mostra que o programa de sócio-torcedores do Vasco tem problemas, sendo o principal deles a não existência de um plano de marketing que consiga capitalizar a torcida. Além disso, a falta de benefícios materiais para os planos mais baratos dificulta um pouco novas adesões, sem contar a instabilidade da equipe dentro de campo nos últimos anos;

Divisão e custo dos planos:

O programa de sócio-torcedores do Vasco é dividido em três tipos, a fim de permitir a participação do mais variado número de torcedores. Existe o SÓCIO-PROPRIETÁRIO, cujo valor mensal é de R$ 55,00, mas a taxa de adesão está na faixa dos R$ 570,00 ou 6 parcelas de R$ 95,00; SÓCIO-GERAL, cujo valor mensal é de R$ 40,00, mas a taxa de adesão está na faixa dos R$ 120,00; e VASCAÍNO DE CORAÇÃO, cujo valor mensal é de R$ 30,00, sem taxa de adesão e destina aos torcedores de outros estados.

Opinião:

O fato de não haver um novo plano de marketing desenvolvido pela Administração Eurico Miranda dificulta a a evolução do projeto. Desde a Era Dinamite a estrutura do programa é a mesma e, como dentro de campo nem tudo são flores, se mostra estática. Além disso, o Gigante da Colina precisa criar atrativos maiores para os seus torcedores, visando a permitir a esse sistema que ele se desenvolva plenamente.

Foto: Getty Images