Programa de sócio-torcedor do São Paulo é pouco vantajoso e cheio de defeitos

Analisar o programa de sócio-torcedor do São Paulo é uma tarefa ingrata. Não porque tenha muita informação a respeito, mas, pelo contrário, porque quase não há informação a respeito. O clube não fornece detalhes de seus próprios planos, nem os preços deles, deixando um ponto de interrogação enorme no ar: qual o sentido de vender um serviço no qual o cliente não consegue saber nada sobre? Talvez isso explique um pouco porque, a despeito de ter a terceira maior torcida do país, o São Paulo é apenas o oitavo clube com mais sócios-torcedores do país.

Confira a análise completa do programa, aqui no Torcedores.com!

Número de sócios:

O programa de sócio-torcedor do São Paulo conta com 53.696 torcedores cadastrados, de acordo com dados do Torcedômetro, do Movimento por um Futebol Melhor, disponível online, nesta segunda semana de abril de 2015. O time é o oitavo colocado no ranking, com cerca de 100 sócios-torcedores a menos que o Flamengo, sétimo colocado e mais de 13 mil a mais que o Atlético-MG, nono colocado.

Evolução em 2015:

O São Paulo terminou 2014 com 36.829 sócios-torcedores cadastrados. Até abril deste ano, este número subiu 31%, atingindo os mais de 53 mil sócios detalhados no tópico acima, o que representa 16.867 novos sócios apenas nos quatro primeiros meses do ano, uma média de 4.216,75 novos sócios por mês.

Pontos fortes:

Os pontos fortes do programa de sócio-torcedor do São Paulo são quase inexistentes, em comparação ao potencial de marca que o clube tem, o tamanho de sua torcida e sua história repleta de glórias. As maiores vantagens que o sócio-torcedor são-paulino têm é a possibilidade de acompanhar um dia de treinamento dos jogadores no CT da Barra Funda, participar de entrevistas coletivas, inclusive podendo fazer perguntas, realizar visitas monitoradas pelo Morumbi, com acesso a vestiários, gramado e locais exclusivos dos jogadores em dias de jogos, etc.

Ou seja, o maior benefício em ser sócio do São Paulo é a possibilidade de vivenciar experiências que os próprios atletas ou jornalistas que cobrem o clube têm diariamente, viver suas rotinas por um dia.

Pontos fracos:

Em contrapartida, os pontos fracos do programa de sócio-torcedor do São Paulo são inúmeros. O principal deles é a falta de variedade de planos disponíveis. Atualmente, existem apenas três, e as vantagens deles são, basicamente, dar prioridade aos sócios na comprar de ingressos, descontos nos mesmos (que são, no máximo, de 30%) e descontos em produtos de empresas parceiras do Movimento por um Futebol Melhor.

Outro ponto fraco é a falta de variedade de produtos oficiais do clube com descontos realmente bons e a ausência quase completa de ações promocionais envolvendo os torcedores, principalmente em dias de jogos.

Quanto custa:

Não dá para saber. O clube tirou essa informação de seu site e pede que o interessado faça um cadastro, tendo de informar dados sigilosos, como o CPF, para obter mais detalhes dos planos disponíveis. Até o início do ano, no entanto, enquanto não havia essa exigência, os preços variavam de R$ 12 a R$ 100 por mês, aproximadamente.

Divisão dos planos:

Assim como no caso dos preços, as informações sobre as divisões dos planos foram retiradas do site oficial do clube na internet, que agora força os interessados nelas a fazer um cadastro, fornecendo dados pessoais sigilosos, para liberá-las. Conforme dito no tópico acima, até o início do ano, quando as informações estavam disponíveis para todos, havia três planos, cujos nomes eram relacionados a termos genéricos como “básico” e “standart”.

Opinião:

O sócio-torcedor do São Paulo só é vantajoso para aquele torcedor que gosta muito de acompanhar os jogos do time no estádio. E só. Mesmo assim, no longo prazo, torna-se pouco atrativo exigir que o torcedor pague a mensalidade do plano e ainda tenha de desembolsar mais dinheiro para comprar ingressos para os jogos, com descontos praticamente irrisórios.

A atitude da direção do clube, de retirar informações dos planos e seus respectivos preços do site, me pegou de surpresa. No começo do ano, antes dos campeonatos começarem, cogitei me tornar sócio, confiando no projeto para a temporada e pesquisei os planos e preços. Todas as informações, por mais que não tenham me seduzido, estavam disponíveis, sem a necessidade de um cadastro. Acho, inclusive, desrespeitoso exigir das pessoas que apenas querem conhecer as opções disponíveis o fornecimento de dados como o CPF. Isso afasta mais ainda potenciais clientes.

O São Paulo foi um dos clubes brasileiros pioneiros em programas de sócios-torcedores. Me lembro que nos anos 90, o Tricolor era um dos poucos clubes que possuía uma iniciativa do tipo, o que gerava até certa tensão com torcedores comuns, que se sentiam meio que ignorados pelo clube por qual torciam, menos importantes do que aqueles que pagavam para ter benefícios. Hoje, na era em que os programas de sócios-torcedores se popularizaram e modernizaram, o São Paulo parece se manter na Idade da Pedra.

Crédito da foto: Divulgação



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...