Opinião: Corinthians teve mais sorte do que juízo contra a Ponte Preta

O meia Renato Augusto em disputa de bola com Josimar

Esperava-se que o Corinthians teria dificuldades contra o bom time da Ponte Preta nas quartas de final do Campeonato Paulista. Só não se imaginava que a classificação à próxima fase fosse tão dramática. Os campineiros foram superiores em boa parte da partida, na tarde de sábado, em Itaquera, mas foram castigados com a derrota (1 a 0) em uma das poucas chances dos anfitriões.

LEIA MAIS:
Corinthians x Ponte Preta: assista ao gol que deu a classificação ao Timão
Jogadores festejam classificação do Corinthians contra a Ponte Preta

Incrivelmente, a Macaca dominou o rival no primeiro tempo. O Corinthians, desfalcado de Guerrero, com suspeita de dengue, não conseguiu reeditar as grandes exibições anteriores. O ótimo técnico Guto Ferreira apostou em uma formação com três volantes (Josimar, Fernando Bob e Diego Silva) e dois atacantes de velocidade (Biro Biro e Rildo).

O forte Corinthians, dessa vez, não conseguiu usar as suas principais armas: imprimir velocidade dentro de casa e marcar a saída de bola adversária. Méritos para os jogadores da Ponte que demonstraram muita aplicação tática. Ficando a maior parte do tempo com a posse de bola, a equipe do interior não se limitou a marcação e buscou o ataque com frequência. Merecia ter ido para o intervalo em vantagem no placar. Parou no inspirado goleiro Cássio e na arbitragem, que anulou gol legal de Renato Cajá. O assistente Vicente Romano Neto enxergou impedimento inexistente. Lance complicado, mas o meia estava na mesma linha do penúltimo defensor.

Durante os 45 minutos iniciais, o alvinegro do Parque São Jorge só ameaçou em finalização de Elias defendida sem grandes sustos por Matheus, e em falta cobrada por Jadson que passou raspando o travessão.

O Timão melhorou na volta do intervalo. Tite não trocou jogadores, mas fez uma mudança tática, que mais tarde acabaria definindo o resultado. O meia Renato Augusto foi deslocado ao ataque, se aproximando de Vagner Love.  Aos 10, após boa troca de passes, Love fez bem o pivô e deu assistência para Renato marcar o único gol da partida.

A Ponte Preta se abateu com o gol sofrido e demorou a reagir. Voltou a ameaçar Cássio, a partir das entradas do meia Roni e do atacante Wellington, respectivamente, nas vagas de Biro-Biro e Josimar, porém, o bem organizado sistema defensivo impediu o empate.

A vitória suada serviu para brecar a euforia de alguns torcedores corintianos. A equipe continua sendo muito forte, porém, possui defeitos.

Mesmo com a eliminação, os jogadores da Ponte merecem os parabéns pela grande atuação. Não se intimidaram com a presença de mais de 30 mil torcedores alvinegros e estiveram perto de quebrar a longa invencibilidade do adversário em sua casa. Diante da Macaca, o Timão chegou à sequência de 30 jogos sem sentir o amargo gosto da derrota em seus domínios (23 vitórias e sete empates)

crédito foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)