Opinião: O futebol de ouro em 2016

Reprodução

Tricampeã Paraolímpica e tetracampeã mundial, a seleção brasileira de Futebol de 5 não possui outro objetivo senão a conquista de mais um ouro no Rio em 2016.

LEIA MAIS
Thiago Pereira faz índice nos 200m peito e se classifica para Mundial e Pan

A atuação do Brasil em Jogos Paraolímpicos deu seu primeiro grande passo em 2000, quando os atletas olímpicos não conquistaram nenhuma medalha de ouro e os paraolímpicos conquistaram 6 de ouro, 10 de prata e 6 de bronze. Apesar de não ser a comparação mais indicada, esta relação direta mostrou que tínhamos um grande potencial.

Em 2004, os jogos foram transmitidos ao vivo pela TV, o que proporcionou um crescimento significativo para o esporte paraolímpico.

Pouco conhecida na maioria dos países, a modalidade de Futebol de cegos – também nomeada Futebol de 5 – possui atualmente mais de 50 equipes brasileiras representando a quase totalidade dos estados da federação. No mundo, mais de 30 países aderiram ao five a-side football, sendo que na maioria deles existem campeonatos regulares entre clubes.

Como todos sabemos, o histórico do tradicionalíssimo futebol masculino brasileiro em Olimpíadas é quase tão vergonhoso quanto o “7 a 1”: nenhum ouro em 12 participações. Mas isso não é motivo pra você desanimar de ver a bola rolando ano que vem enquanto torce verdadeiramente pela equipe do seu país. E eu vou te contar o porquê.

É muito provável que você não saiba, mas a nossa Seleção Brasileira de Futebol de 5 é uma grande potência: vencedora de todas as competições que participou, é a única campeã paraolímpica da modalidade – que teve sua estreia nas Paraolimpíadas em Atenas, em 2004 – e atual campeã mundial. Além disso, os clubes brasileiros estão sempre entre as equipes a serem batidas na disputas continentais. O ICB da Bahia, por exemplo, participou em 2013 e 2014 de mundialitos na República Tcheca e venceu ambos.

Em 2009, na Alemanha, em um mundial não reconhecido pela federação internacional (IBSA), a equipe brasileira feminina da Urece*, que teve Marta como madrinha, consagrou-se campeã.

Para completar a comprovação da relevância do Brasil no futebol adaptado, a bola utilizada em competições é produzida em território nacional. O projeto Pintando a liberdade, do Ministério do Esporte, fornece-a gratuitamente para todo o mundo.

Logo, se você estava em dúvida sobre qual ingresso tentar conseguir para os Jogos no Rio em 2016, a dica está dada.

Colaboração: Gabriel Mayr

[+] Saiba mais sobre o surgimento e a evolução do Futebol de 5: http://urece.org.br/site/esportes/futebol-para-cegos/

*A Urece Esporte e Cultura para Cegos é uma associação sem fins lucrativos, baseada no Rio de Janeiro. Desde 2005, desenvolve aulas e treinamentos esportivos, oficinas e projetos especiais para pessoas com deficiência visual de todas as idades. Ministra aulas de futebol para cegos, goalball e natação. A Urece não é feita somente para as pessoas com deficiência visual, mas também é liderada por elas, as quais dedicam-se diariamente à profissionalização do esporte, ressaltando sempre as potencialidades e as especificidades de cada atleta.