Ganso de volta ao Santos? Tem gente trabalhando para isso

Reprodução

A má fase no São Paulo pode fazer com que Paulo Henrique Ganso retorne ao Santos ainda este ano. Nos bastidores, o Grupo DIS, dono de 68% dos direitos do jogador, considera que a volta a Vila Belmiro pode valorizar o meia. Isso nem três anos depois de ele ter deixado a baixada pela porta dos fundos para ir jogar no Morumbi.

LEIA MAIS
São Paulo pode atravessar Santos e levar Ricardo Oliveira, diz jornal

Ganso tem contrato com o São Paulo até 2017. Para ter o jogador, o Tricolor desembolsou cerca de R$ 16,4 milhões. A DIS injetou mais R$ 7,5 milhões no negócio. No total, o montante de quase R$ 24 milhões marcou a maior transferência entre clubes do Brasil até então.

A negociação, entretanto, não foi nada amistosa. Apalavrado com o São Paulo muito antes do acerto entre os clubes, Ganso foi xingado de mercenário pela torcida em diversos jogos.

Na sua saída, a diretoria alvinegra chegou a emitir uma nota, dizendo que o meia havia forçado sua saída do clube, rejeitando todas as propostas de renovação que lhe foram oferecidas. A torcida, igualmente revoltada, pixou a imagem de ganso que estava pinada nos muros do CT Rei Pelé.

Tudo isso aconteceu na madrugada 21 de setembro de 2012. Menos de três anos depois, o que fez este cenário mudar? Simples: a saída dos principais responsáveis pelo negócio.

O principal articulador do acordo, pelo lado do São Paulo, foi o então diretor de futebol Adalberto Baptista. Hoje ele não faz mais parte da cúpula que administra o futebol tricolor, liderada pelo vice-presidente Ataíde Gil Guerreiro. Na época, quem mandava no Morumbi era Juvenal Juvêncio. Hoje, a caneta está nas mãos de Carlos Miguel Aidar.

Do lado do Santos, também há mudanças na diretoria. O presidente Luis Álvaro saiu de cena e agora o clube é administrado justamente pela oposição, encabeçada por Modesto Roma Junior, aliado de Marcelo Teixeira. Ambos, consultados, por pessoas ligadas a Ganso, não se opõem ao negócio que seria totalmente costurado pela DIS. Curiosamente, o grupo que foi determinante para tirar o meia da Vila Belmiro.

O acordo que a DIS pretende costurar é de empréstimo. O grande problema é a questão salarial. O valor que Ganso recebe no São Paulo ultrapassa em 100 mil reais o teto estabelecido pela diretoria santista. Fazer o Tricolor, dono de 32% dos direitos do meia, bancar este montante não será tarefa fácil.



Bruno Monteiro é repórter da TV Bandeirantes. Já atuou também em diversos outros veículos de destaque, como o Portal UOL, Jornal Lance e Sportv.