Fluminense aposta no sócio-torcedor para ocupar lugar da Unimed nos cofres do clube

Reprodução/Facebook

Após o fim da parceria com a Unimed e com os cofres vazios, o Fluminense, necessitando angariar fundos e firmar sua independência financeira, investiu recentemente em novas modalidades para o programa de sócio-torcedor: O Programa Sócio Futebol.

O Torcedores.com fez uma análise completa sobre o programa, buscando números e apontando os pontos positivos e negativos para reforçar os cofres. Confira:

Número de sócios:

24.163 sócios torcedores (10º lugar no ranking nacional)

Evolução em 2015:

O clube carioca ganhou apenas 799 novos sócios no ano, apenas o 17º colocado neste quesito.

Pontos fortes:

Um leque de opções que atende a todas as classes. O torcedor menos favorecido financeiramente pode escolher um plano de apenas R$ 18 por mês, por exemplo, que lhe garantem benefícios como acesso à rede de descontos e evitar filas no estádio. Além disso, a parceria do programa sócio futebol com marcas como Ambev, Unilever, Danone, Pepsico, Burger King, Netshoes, SKY, TIM, BIC, Shell, Multiplus, Editora Abril e Opte+ garante descontos exclusivos para os associados.

Pontos fracos:

A demora para entrega da carteirinha, que chega em 30 dias úteis, impossibilitando nesse período o uso de benefícios como desconto na compra do ingresso e evitar filas. Outro ponto que vale ser destacado, é o preço do plano mais caro (R$ 205).

Quanto custa:

Os planos variam de R$ 10 a R$ 205.

Divisão dos planos:

Mascote – R$ 10/mês
Guerreiro – R$ 18/mês
Sócio Futebol 50% – R$ 35/mês
Sócio Futebol 100% – R$ 85/mês
Acesso Livre – R$ 125/mês
Premium – R$ 205

Opinião:

Com a saída da Unimed, tornou-se maior a necessidade de angariar fundos para o clube sustentar-se sozinho, caminhar com seus próprios pés. O plano sócio futebol, reformulado recentemente, é visto pela diretoria como um dos pilares para sustentação do clube.

Numa estratégia perfeita de marketing, o Fluminense criou seis novas modalidades, com preços acessíveis, para atender a todos os tipos de torcedor, e consequentemente, aumentar o numero de associados. A divulgação via redes sociais é bem chamativa, e a mobilização da torcida em torno do programa – como a “Campanha do Pó de Arroz”, em 2014 na qual cada tricolor deveria presentear uma pessoa com o título de sócio-torcedor da agremiação, gravar um vídeo jogando um saco de pó de arroz na própria cabeça e desafiar outras três a repetir o gesto, foram iniciativas importantíssimas.

E o resultado do novo programa sócio futebol já pode ser visto: em pouco mais de uma semana desde seu lançamento, o Fluminense já ganhou mais 723 sócios e agora é o 10º colocado no Torcedômetro, ultrapassando o Bahia.

Crédito da foto: Reprodução/Facebook



Estudante de Jornalismo na PUC-RIO. Amante do futebol, fã de MMA e torcedor fanático do Fluminense.