Federação banca patrocínio “palmeirense” nos árbitros na fase final do Estadual

Marcos Marinho, dirigente da entidade, esnobou regulamento da FIFA que impede patrocínios já comprometidos em juízes.

LEIA MAIS:
Dois meses depois, Cleiton Xavier é apresentado no Palmeiras

Após anúncio do patrocínio na camisa dos árbitros na fase final do Paulistão, uma verdadeira onda de posts movimentaram as redes sociais.

A Crefisa e a FAM, que patrocinam o Palmeiras, vão estampar suas marcas nas camisas dos juízes também. Segundo regulamento da FIFA, tal negociação é proibida.

“Não tem nada a ver. Isso não importa. Não importa que eles sejam patrocinadores do Palmeiras também. Eu confio nos meus árbitros e isso não vai prejudicar em nada as decisões. Não tem absolutamente nada a ver uma coisa com a outra”, disse Marcos Marinho, cartola da FPF.

“A Fifa manda e organiza os campeonatos dela. A Federação Paulista tem seu próprio regulamento, seu próprio jeito de agir e suas próprias regras. A Fifa faz o que quiser com os campeonatos dela, com os da Federação Paulista é a gente que resolve. Não vamos voltar atrás, não há nenhuma possibilidade”, adicionou.

O trecho do regulamento 15 é bem claro: “Anúncios de patrocinadores nas camisas de árbitros serão permitidos somente se não criarem conflitos de interesses com nenhum dos times participantes. Caso isso aconteça, o árbitro não deve utilizar nenhum anúncio na camisa.”

Nas redes sociais, torcedores criticaram a atitude da empresa em negociar com a Federação. Até palmeirenses não gostaram da atitude.



Thiago Gomes é Administrador de Empresas. Trabalha com estratégias digitais e consultoria de e-commerce. É palmeirense e um apreciador do futebol, tanto nacional quanto internacional. Escreve para site esportivo desde 1996.