Fabrício pede desculpas ao Inter durante apresentação no Cruzeiro

Divulgação

O lateral-esquerdo Fabrício está de casa nova desde o final da tarde de quinta-feira (9), o Cruzeiro. Mesmo assim, o jogador fez questão de se pronunciar sobre o surto que teve semana passada, pelo Inter, em jogo contra o Ypiranga, pelo Gaúchão, onde, revoltado com as cobranças de parte da torcida, mostrou os dedos médios para as arquibancadas, foi expulso e jogou a camisa do time no chão.

LEIA MAIS:
Elenco do Inter homenageia Fabrício com um cone no rachão; Entenda
Fabrício está descartado no Inter, diz presidente: “não tem condições de permanecer”

De acordo com Fabrício, sua reação na ocasião foi, de fato, exagerada, mas ele justificou que discorda de quando a torcida cobra os jogadores durante o jogo, conforme estava acontecendo quando se descontrolou. O ex-jogador do Inter também disse que suas críticas foram direcionadas a um grupo restrito de torcedores, não aos Torcedores Organizados, que segundo ele, sempre apoiam o time, em qualquer situação.

Por fim, ele negou que tenha havido injúria racial por parte de alguns torcedores contra ele naquele dia e que foi muito feliz nos pouco mais de quatro anos em que defendeu o Inter, que sempre o concedeu muitas coisas boas e sempre o tratou com profissionalismo, nunca atrasando o  salário, por exemplo.

Confira o pronunciamento de Fabrício na íntegra:

“Quero pedir desculpa ao presidente do Internacional, jogadores e comissão técnica pelo fato que aconteceu e que não podia ter acontecido. Só eu sei o que estou passando e quero agradecer os quatro anos e poucos que joguei no Internacional, os títulos. O Inter me deu tudo e nunca atrasou salário. Me dava muito bem com os companheiros, mas já estava empurrando com a torcida. Não podia ter acontecido aquilo mesmo, mas quero pedir desculpa à instituição Colorada. Aos torcedores que ficam atrás do gol, das Organizadas, que só vão lá para poder torcer. Às vezes nem assistem ao jogo, mas estão sempre ali. Sempre fui um jogador que batalhei. De 38 rodadas do Brasileiro (em 2014), fui o que mais joguei pelo Internacional. Fiz gols importantes para ajudar o time a se classificar para a Libertadores. mas isso é mais do que minha obrigação. Sobre a injuria racial que estão falando, nunca aconteceu isso. Meu problema foi com a torcida mesmo, não houve nenhuma injúria racial”.

Foto: Divulgação / EC Cruzeiro



Tudo o que preciso é um papel e uma caneta. Apaixonado por esportes desde 1900 e bolinha: de futebol, basquete, tênis, rugby...