5 motivos para acreditar em novas surpresas da Ferrari

Getty Images

O Grande Prêmio da China, que acontece neste domingo (12), será a terceira etapa da temporada 2015 da Fórmula 1. Até aqui, a hegemonia esperada da Mercedes foi quebrada pelo alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, na última corrida, na Malásia. E há motivos para acreditar que o tetracampeão pode levar o carro vermelho novamente ao pódio.

Vettel mostrou que a Ferrari pode brigar, senão de igual para a igual com as Mercedes do atual campeão Lewis Hamilton e do vice Nico Rosberg, que pode chegar perto e incomodar. O alemão está a apenas três pontos de Hamilton na classificação (43 a 40 a favor do inglês) e sete na frente de Rosberg. Ou seja: a situação está embolada e dá, sim, para acreditar em Vettel e na Ferrari.

O Torcedores.com lista cinco razões para isso:

1) Recorde na mira

Vettel tem quatro títulos na Fórmula 1. Só isso o coloca em um clube seleto de campeões na categoria. Mas o alemão pode conseguir em Xangai mais uma marca revelante: chegar a 41 vitórias e igualar o feito de Ayrton Senna. “É muito especial. Demorei um pouco para vencer a 40ª. Significaria demais para qualquer piloto. Mas não é realmente justo comparado aos caras do passado, pois agora temos 19 ou 20 corridas por ano”, comentou o piloto da Ferrari. Aos 27 anos, ele foi o mais jovem a vencer uma corrida, em 2008, aos 21 anos.

2) Desafio à vista

A corrida para Vettel mostrar que pode ser tão marcante para a Ferrari quanto seu compatriota Michael Schumacher é o GP da China. A Mercedes virá “babando” para recuperar os pontos perdidos na Malásia. E, além disso, as condições climáticas são mais semelhantes às da Austrália, onde as Flechas de Prata fizeram a dobradinha e Vettel terminou em 3º. O alemão da Ferrari terá de pilotar “direito” para superar a dupla Hamilton-Rosberg.

3) Sem pressão

A Ferrari não se ilude. A temporada 2015 será de ajuste para a equipe, enquanto a Mercedes deve desfilar novamente na pista. Mesmo assim, a escuderia italiana adota o discurso de pé no chão. Ou seja: a espectativa é comer pelas beiradas e surpreender. “Estamos realistas quanto a onde estamos, os objetivos não mudaram. Obviamente foi uma grande vitória na Malásia, emocionante. E voltar para a fábrica de Maranello e ver todo mundo foi muito especial. A equipe não ganhava fazia um tempo. Foi legal para eles ter essa sensação novamente”, disse Sebastian Vettel.

4) Disputa na Mercedes

A rivalidade interna entre Hamilton e Rosberg, que veio à tona algumas vezes no ano passado, parece estar superada neste ano. Mas nunca se sabe quando a dupla da Mercedes pode aprontar alguma na pista. Por isso, se Vettel e o finlandês Kimi Raikkonen acelererem, podem se aproveitar de alguma “brecha” do time germânico.

5) De olho no empate no retrospecto

Lewis Hamilton foi o último vencedor do GP da China, em 2014. O inglês tem outras duas vitórias na pista, em 2011 e 2008, quando guiava pela McLaren. Juntos, Vettel e Raikkonen têm dois triunfos em Xangai. O alemão venceu em 2009, pela Red Bull, e o finlandês foi o mais veloz em 2007, pela própria Ferrari. Uma vitória de uma dos dois no domingo vai deixar o retrospecto empatado.

Crédito da foto: Getty Images

* Curtiu esta matéria? Siga o autor no Twitter: @matheusadami



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.