Relembre seis lutadores que voltaram ao UFC

UFC

O UFC costuma ser impiedoso com seus atletas na hora de demitir aqueles que acumulam derrotas seguidas ou que não conseguem chegar a um acordo na hora de renovar o contrato. Não raro, o UFC dá o bilhete azul a lutadores com capacidade para fazer bons combates dentro octógono.

Mas o que os dirigentes do UFC têm de carrascos, têm também de espertos. Se o lutador demitido se destaca fora da organização, a chance de retomar ao UFC é grande. Não importa se no passado o atleta teve problemas em bater o peso da categoria (algo considerado falta gravíssima pela organização) ou perdeu de modo vexatório.

O exemplo mais recente de “ex-atual” UFC é o croata Mirko Filipovic, o Cro Cop. O veterano lutou pela última vez no UFC em 2011, quando foi nocauteado por Roy Nelson. Quatro ans depois, está de volta e lutará no UFC Polônia, em abril, contra o brasileiro Gabriel Napão.

Cro Cop não é o único a retornar ao UFC após deixar o octógono. Confira outros exemlos:

1) Mirko Cro Cop

O croata foi uma lenda no Pride. Seus temidos chutes de perna esquerda já apagaram gente como Wanderlei Silva nos ringues japoneses. Estreou no UFC em 2007, após seis anos no Pride. Ficou até 2011 no octógono, quando saiu e fez combates pelo Legend e pelo IGF. Voltou ao UFC e lutará contra Gabriel Napão no dia 11 de abril na Polônia. Será a revanche de uma luta vencida pelo brasileiro por nocaute no UFC 70, em 2007. Aos 40 anos, Cro Cop tem 30 vitórias, 11 derrotas, 2 empates e 1 no-contest.

2) Vitor Belfort

O atual desafiante ao cinturão dos pesos médios foi campeão do torneio dos pesos pesados no UFC 12, em 1997. Em sua primeira passagem pelo octógono, entre 1997 e 1998, disputou seis lutas. Foram cinco vitórias, incluindo o nocaute relâmpago sobre Wanderlei Silva em São Paulo, e uma derrota. Depois, foi para o Pride, voltou ao UFC entre 2002 e 2005, passou por Cage Rage, Strikeforce e Affliction até retornar ao UFC em 2009. Vitor tem 37 anos, 24 vitórias e 10 derrotas.

LEIA TAMBÉM
Weidman ataca Belfort sobre doping: “Ele esquece que já falhou em vários testes”

3) Wanderlei Silva

Se no Pride o “Cachorro Louco” foi uma lenda, o UFC não traz recordações tão boas. Em sua primeira luta na organização, em 1997, foi nocauteado por Vitor Belfort em 44 segundos. Depois, alterando-se entre o Pride e outros eventos, fez mais duas lutas entre 1999 e 2000 no UFC. Venceu apenas uma, contra Tony Petarra. Após brilhar no Pride, voltou em definitivo ao UFC em 2007, onde esteve longe das melhores atuações. Envolveu-se em polêmica com exames antidoping em 2014 e foi banido das lutas.

4) Anthony Johnson

“Rumble” é prova viva de que o mundo dá voltas. Após ser demitido do UFC em 2012 por não bater o peso – algo frequente para ele à época – e ser finalizado por Vitor Belfort, rodou pelo Titan FC, XFL e World Series of Fighting até voltar ao octógono em abril do ano passado. Venceu três lutas e ganhou o direito de enfrentar o campeão dos meio-pesados, Jon Jones, no UFC 187, dia 23 de maio.

5) Quinton Jackson

“Rampage” é outro veterano que deixou o UFC e que acabou voltando ao octógono. O ex-campeão dos meio-pesados foi para o Bellator em 2013, após uma série de três derrotas seguidas no UFC. Venceu a mesma quantidade no Bellator e está escalado para encarar o brasileiro Fábio Maldonado no UFC 186, dia 25 de abril, no Canadá.

6) Dan Henderson

O veteraníssimo de 44 anos é outro que fez história no Pride. Mas também eve idas e vindas no UFC. Em 1998, venceu as duas lutas que fez no UFC 17. Depois de uma longa jornada no Pride, retornou ao UFC em 2007, onde ficou até 2009. Saiu e foi para o Strikeforce. Rumou novamente para o UFC em 2011 e está lá até hoje. Enfrentará Tim Boetsch em 6 de junho, nos Estados Unidos.

Foto: Getty Images



Jornalista, editor do Torcedores.com. Passagens pelos jornais Metro, O Estado de S. Paulo, Jornal da Tarde, Marca Brasil, Agora São Paulo, Diário de S. Paulo e Diário do Grande ABC.