Programa relembra o dia em que o Vasco tentou contratar Pelé

Todos sabem que Pelé, atleta do século XX segundo a FIFA, só defendeu oficialmente o Santos, o Cosmos e a Seleção Brasileira, mas isso não o impediu de vestir, em jogos festivos, as camisas de Vasco, Flamengo e Fluminense. Ao longo de sua carreira também não cansaram de surgir propostas de transferência do Rei do futebol, mas que, para a sorte do time da Baixada Santista, nunca se concretizaram, como foi o caso do Gigante da Colina em 1965, conforme reportagem do RJTV, da Rede Globo.

LEIA MAIS:
Vasco vence o Bonsucesso, mas torcedores ficam insatisfeitos; entenda
Vasco vence com dificuldades e torcedores reclamam na internet; confira

Para ganhar a Taça Guanabara de 1965, o Vasco tentou contratar Pelé. Um grupo de torcedores ilustres, como é de praxe no cruzmaltino, arrecadou cem milhões de cruzeiros (o equivalente a cerca de R$ 1,8 milhão) e ofereceram ao clube praiano. Entretanto, não era desejo do Santos se desfazer do camisa 10 da seleção brasileira bicampeã do mundo.

Sem Pelé, ainda assim o Vasco conseguiu vencer a competição. Na partida decisiva, o time vascaíno superou o Botafogo de Garrincha por 2 a 0. O primeiro gol saiu aos 40 minutos do primeiro tempo. Oldair recebeu de Zezinho, avançou e chutou da entrada da área. A bola quicou na frente de Manga e o encobriu. No segundo tempo, o Vasco decidiu o jogo logo no início: aos 5 minutos, Mário foi a linha de fundo pela esquerda e cruzou rasteiro. Manga não conseguiu cortar o cruzamento e Paulistinha, que vinha na corrida, colocou a bola contra o próprio patrimônio.

No total, o Vasco teve seis vitórias, um empate e apenas uma derrota, sendo Célio, com seis gols, o artilheiro da competição. Curiosamente, seria ele que sairia do time caso Pelé tivesse aceitado a proposta do Vasco.

Escalação do Vasco: Gainete; Joel, Brito, Fontana e Oldair; Maranhão e Lorico; Luisinho, Célio, Mário e Zezinho.

Escalação do Botafogo: Manga; Joel, Zé Carlos, Paulistinha e Rildo; Aírton e Gérson; Garrincha, Sicupira, Jairzinho e Roberto.

Arbitragem: Frederico Lopes, com Eunápio de Queiroz e Claudio Magalhães como assistentes.