Mais dinheiro, novos times, estrelas globais: a MLS 2015 promete!

A dificuldade na negociação do acordo trabalhista para jogadores de futebol que ameaçou o início da temporada 2015 da MLS resume o momento da liga americana. Um novo contrato para transmissões de TV terá duração de oito anos e vai colocar os jogos em três importantes canais em dias nobres, como sábados e domingos. Mais dinheiro também chegou com novos patrocinadores, como a cerveja Heineken.

LEIA MAIS:
Superior na MLS em 2014, Oeste aposta em Gerrard pra manter popularidade
Novos times e craques globais alavancam o Leste na MLS

Por Paulo Canova e Sérgio Patrick

mls-primary_colorOs atletas querem participar do bom momento como uma fatia maior de tudo que se movimenta com o ‘soccer’. O sindicato pede que os contratos sejam negociados entre times e jogadores (hoje são totalmente controlados pela liga), além de aumento no teto salarial. Apesar de algumas
estrelas ganharem salários milionários, a média salarial é baixa em comparação até com os principais times do futebol brasileiro. Os executivos que comandam a MLS dizem que as restrições são fundamentais para que a Liga siga crescendo aos poucos de forma sustentável, com o objetivo de ser um dos maiores campeonatos do mundo nos próximos 20 anos.

A Liga estima em 70 milhões o número de fãs de futebol nos EUA, sendo 20 milhões deles praticantes do esporte. A média de público nos estádios cresceu quase 3% em 2014 em relação ao ano anterior. São 19.149 torcedores por jogo, atrás apenas do futebol americano e do beisebol entre as modalidades coletivas dos EUA. Com a pior média (7.063) e pouca iniciativa para mudar a situação e crescer na Califórnia, o Chivas USA foi comprado pela MLS e congelado para se transformar no Los Angeles FC em dois anos. Nessa nova fase da expansão, Atlanta também terá um time no torneio.

Para 2015, as novidades são o Orlando City e o New York City FC. O Orlando colocou na Liga uma das mais importantes cidades turísticas do país e um dos jogadores mais conhecidos no mundo todo, o brasileiro Kaká. Já o NYC tem o investimento de um grande clube europeu, o Manchester City. O espanhol David Villa e o inglês Frank Lampard, que só chega em junho, vestirão a camisa da equipe. Também no meio do ano Steven Gerrard vai reforçar o atual campeão LA Galaxy. Outros grandes reforços para a temporada são do Toronto FC: o atacante Jozy Altidore, da seleção dos EUA, que estava no Sunderland, da Inglaterra, e o meia italiano Sebastian Giovinco, ex-Juventus.

A MLS comemora a 20º temporada como a largada para um novo momento de qualidade, popularidade e reconhecimento internacional. A Liga foi criada por 10 times em meados dos anos 90, no embalo do sucesso da Copa do Mundo disputada nos EUA em 1994. O crescimento dos últimos anos se consolidou com a chegada de David Beckham ao Los Angeles Galaxy, em 2007.

Mas nem tudo será fácil no caminho da MLS para o sucesso. O técnico dos EUA, Jurgen Klinsmann, vive dizendo que prefere que os jogadores da seleção atuem na Europa para evoluir nos campeonatos mais competitivos do mundo. Para o futuro, a Liga e a seleção apostam em um grande projeto de formação de jogadores fora dos padrões do esporte americano. Ao invés de escolas e universidades, o trabalho é dos próprios times, o que segue o modelo europeu, com mais de 1 milhão de jovens atletas nas academias.

Os 20 times da MLS jogam 34 partidas na temporada regular, duas vezes contra as nove equipes da mesma conferência e fazem 16 duelos contra clubes da outra conferência. Os seis primeiros de cada conferência se classificam para os playoffs.

O All-Star Game de 2015 está marcado para o dia 29 de julho, em Denver. Os melhores jogadores da MLS formam um time para enfrentar um grande clube do futebol mundial. No ano passado, o convidado foi o Bayern de Munique, vencido pelo placar de 2×1.

Confira o guia das equipes da Conferência Oeste e também da Conferência Leste.

Aposentadoria de Landon Donovan marcou a final da MLS Cup do ano passado:



Redação do Torcedores.com